Expofred - por quem fazemos isso?
Sexta, 02 de Maio de 2014

A cidade (e região) toda tem um fato novo, que merece e tem recebido atenção, a Expofred. Não posso me furtar de, ainda que tangenciando temas econômicos, impreterivelmente tratar dela. Dela Economia, pois uma feira-exposição tem essencialmente uma finalidade econômica; dela feira, pois é o retrato das relações sociais em si.

O pastor e o pároco, com sábias palavras abordaram o tema com conhecimento de causa ao traduzir “a sua feira multissetorial” com finalidades comercial, industrial, de serviços, agrícola e de entretenimento, sintetizando o que certamente os organizadores (que são a representação da sociedade que se organizou) pretendiam.

Mas por que fazem isso? Por que se distanciam dos seus trabalhos, das suas famílias, do convívio com os amigos, dos projetos imediatos para se dedicarem a organizar um evento desses? Apesar das críticas, acredito que por acreditarem em doarem-se um pouco para o que todos na sociedade irão colher no futuro, para que a comunidade conviva, se divirta e realize negócios. Quem sabe se o senhor Pigatto há meio século pensasse apenas no umbigo e não tivesse o espírito empreendedor (que ainda lhe é característico), estaríamos hoje 50 anos (ou mais) mais atrasados.

Escutei (de todas as autoridades) na abertura dessa edição coisas interessantes e importantes. A exposição serve para mostrarmos o que temos de melhor, nossas potencialidades; negócios e renda serão gerados; empresas e agronegócios serão valorizados; pessoas irão se divertir; devemos falar bem de nosso ´cavalo´ se quisermos que seja bem vendido; todos estão fazendo com a melhor intenção; tudo vai dar certo. Definitivamente é a visão e o desejo de quem quer ver o copo meio cheio.

A energia é boa. A cidade em frenesi; no parque todos com as mãos na massa, mostrando qualidades que na sua atividade diária não são percebidas, como pintar o meio fio, instalar elétrica, montar estandes; pareciam formigas bem organizadas, quase que auto-orquestradas, pois cada um parece saber exatamente o que e como deve ser feito.

Profissionais das diversas áreas (e às vezes nem nas suas) meses antes, na véspera e durante o evento doando seus conhecimentos, tempo e recursos para que quem visite se sinta bem, feliz e com uma boa impressão sobre os produtos, empresas, infraestrutura que enxergam.

Pessoas completamente voluntárias cuidando das diversas áreas do evento. Nos estacionamentos, chamando para si a responsabilidade: “segura por que não tem mais vaga; me avisaram que tem mais 50, manda passar” (de onde e como vinha, a fórmula ninguém disse, mas funciona, é impressionante). A propósito, se doam mesmo, alguns já reconhecidos na função por várias edições, por mais de uma entidade no mesmo dia, cumprindo turno 1, 2, hora adicional, extra, de fato extraordinária, pois fazem acontecer - e ainda se divertem!

É a comunidade trabalhando para a comunidade. Parabéns, pois já estão outros 50 anos adiante.

Comentários