A moda é viva
Sexta, 06 de Dezembro de 2013

Muito se fala sobre a moda e por vezes, há preconceito em relação a este universo que está diretamente ligado ao seu caráter efêmero e pela relação direta com a aparência onde, supostamente, são privilegiados os aspectos meramente superficiais. A moda possui implicações sociológicas e psicológicas no comportamento humano. Coisas simples, como se sentir  confiante usando determinada roupa e vulnerável vestindo outra, fazem de consultores de estilo um dos profissionais mais solicitados na atualidade.

A palavra “moda” vem do latim modus, significa “modo”, “maneira”. É um sistema que se adapta à realidade do momento sempre manifestando um contexto maior, seja ele político, social ou sociológico. Nesse sentido, pode-se lembrar do vestuário dos anos 50 e depois pensar nos anos 80. Para todas as mudanças ocorridas no período, dá-se o nome de moda. Todas essas transformações foram reflexo da sociedade à sua volta.

Moda é comportamento e tudo que está nas vitrines foi pensado para a sociedade atual de acordo com seus paradigmas, necessidades e desejos. Ela funciona como uma forma de expressão, surgindo da vontade da diferenciação, de se mostrar na unicidade, mas sempre dentro um coletivo. Ou seja, a moda é a forma de um grande grupo com o qual nos identificamos. A moda conseguiu estabelecer uma ponte entre a beleza e a vida. A moda é uma arte que se usa, que se leva para a rua; é uma arte democrática a que todos têm acesso.

São diversas as coisas que gostamos e fundamentam nossos valores, elas que nos levam a construção daquilo que somos e, muitas vezes, isso não é considerado na hora de vestir, sendo este um aspecto muito importante a ser considerado: mostrar quem realmente somos. A moda é uma forma de cultura, entretanto, deve ser produzida e usada de forma consciente e que possa construir história juntamente com o contexto no qual é vivida. Toda estação tem tendências, e estas sim, o passageiras.

Por isso, fugir do lugar-comum é necessário. Afinal, se moda é comportamento e cada ser humano é um ser ímpar, por que devemos nos vestir de forma quase “uniformizada”? Não estou dizendo que sou contra tendências, mas sou protestante à mesmice, a massificação dos pensamentos e desejos. Ouse, crie, invente. Isso é fundamental para a evolução, mostre ao mundo o que você quer, do que você gosta, seja original, independente do que é “certo ou errado”. Moda é cultura, comportamento, identidade, criação, evolução, arte e beleza, onde tudo é permitido.

Comentários