O que é a queda dos Anjos?
Sexta, 18 de Setembro de 2015

Meus amigos e minhas amigas!

Hoje, a nossa reflexão, que está sendo sobre a criação, é voltada para os Anjos, estas criaturas que estão tão presentes à Palavra de Deus. Sim, porque o Compêndio do Catecismo da Igreja Ccatólica assim questiona: o que é a queda dos Anjos? Queda dos anjos? Como entender um ser espiritual não envolvido pelas limitações que nós, criaturas humanas, temos? Como é possível que tenham decaído? Como é possível que tenham caído?

Com a expressão queda dos Anjos nós queremos nos lembrar daquelas criaturas, Satanás e seus demônios de que fala a Escritura, de que fala a tradição da Igreja.

Anjos que foram criados bons por Deus, para a sua Glória, espíritos puros, perfeitos, mas que se transformaram em maus. E por que isso? Porque mediante uma opção livre, mas irrevogável, recusaram Deus e seu Reino. Por serem puros de espírito, porque uma opção de um anjo é definitiva, ao seguirem Satanás, ao seguirem Lúcifer, optaram por não aceitar o projeto de Deus sobre si. Quiseram eles mesmos ser glorificados. E Deus respeitou esta decisão. Só que é uma decisão para sempre. Irrevogável, dando origem então ao inferno.

O mal, portanto, não é obra de Deus. O mal é fruto da liberdade que Deus deu as suas criaturas. Particularmente, aos anjos. Aos anjos decaídos. Decaídos que agora querem arrastar consigo a humanidade para o mal. Arrastar a humanidade para o inferno. Daí a razão de Jesus ter-nos ensinado a pedir ao Pai, No Pai-Nosso: “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. Numa curta oração.

Se Jesus colocou esses dois pedidos é porque Ele sabia e sabe das tentações que nós enfrentaríamos. Nós, que pelo pecado somos frágeis e facilmente nos deixamos arrastar por ele, somos chamados a pedir a força de Deus, a força do Pai para que não caiamos como o Demônio e seus anjos. Não caiamos no mal; que Ele nos livre do mal e nos torne vencedores. Porque a última palavra é da vitória de Cristo sobre o pecado e sobre a morte. E o Pai do céu quer que nós mesmos participemos dessa vitória. Ele não quer que nós sejamos arrastados para o mal. Ele não quer que nós sejamos arrastados para o pecado. Ele não quer que nós tenhamos uma vida sem sentido. Ele não quer que nós tenhamos uma irrealização total. Ao contrário, Deus nos quer juntos de si, porque a nossa felicidade é estar em Deus.

É Ele quem nos fará felizes e, através da luta nesta vida, da luta para vencer as tentações, superarmos o mal e fazermos o bem. Dessa forma, nós conquistaremos a vida eterna.

Para que você seja forte nesta luta e seja um vencedor com a graça de Deus, sejamos seres orantes.

Comentários