Em que condições estava o corpo de Cristo enquanto se encontrava no túmulo?
Sexta, 19 de Agosto de 2016

Meus amigos e minhas amigas!

Louvado seja porque Ele nos dá a graça de participar da sua verdade. Aquilo que Jesus veio fazer no meio de nós foi revelar a verdade do Pai. Revelar = tirar o véu. Claro que somos limitados e incapazes de compreender toda a beleza e a verdade do Pai – a verdade da Santíssima Trindade –, mas Jesus Cristo nos mostrou e introduziu-nos naquele conhecimento, ao qual na eternidade nos aprofundaremos.

E a pergunta do Compêndio do Catecismo da Igreja Católica é a seguinte: em que condições estava o corpo de Cristo enquanto se encontrava no túmulo? Eu diria que a questão, até mais fundamental, que muito colocam: será que Jesus Cristo morreu verdadeiramente? Ou a morte dele foi apenas uma aparência?

A fé nos diz que Ele morreu, realmente, isso ocorreu por nossos pecados. Jesus conheceu uma verdadeira sepultura. Mas a fé nos diz também: “Mas o poder divino preservou o seu corpo da corrupção”. Aquele corpo que era humano, mas acima de tudo, era do Filho de Deus que havia assumido a nossa carne. Isto nós dizemos: “Ele encarnou-se, isto é, tomou a nossa carne”. Assumiu a nossa natureza humana. Aquele corpo de Cristo, verdadeiramente Deus e verdadeiramente Homem, foi preservado da corrupção. Isso é importante para a nossa fé.

Há um poder divino, uma ação que acompanha, eu diria até que participa, de perto da redenção do seu Filho. Participa porque a primeira vista pareceu que Deus só olhava tudo isso de longe, mas sem dúvida nenhuma, em momento nenhum da vida de Jesus, o Pai esteve tão presente em sua vida como naqueles momentos em que Jesus se sentiu abandonado, não simplesmente isso, mas O abandonado,

No Coração de Cristo nasceu um grito: “meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”. Esta foi a dor suprema de Jesus. Não só dar a vida, sofrer pelos pecados, pelos nossos pecados, ainda pior, parecia que era rejeitado por Deus, que fora abandonado por Ele. Isto é, o Pai quis que Ele passasse por toda e qualquer situação que alguém um dia passaria. E sem dúvidas não há pior situação em nossas vidas que a de abandono.

Vir nos sentir incompreendido, rejeitado, e Cristo passou por esta situação. Sentiu-se rejeitado, incompreendido pelo Pai. Mas sabemos na fé que em nenhum momento o Pai estava presente de uma forma tão intensa, acolhendo esta oferta daquele que colocava a sua vida nas mãos do Pai.

E este Pai cuidou para que o corpo de seu Filho, morto e sepultado, fosse preservado da corrupção. E assim, depois, ressuscitar para uma vida nova. São verdades que nos consolam, que enchem os nossos corações de esperança, em saber com quanto carinho o Pai tratou e cuidou do seu Filho. Com quanto carinho o Pai nos acompanha.
Para que essas verdades iluminem a sua vida, façamos a oração da Divina Misericórdia.

Comentários