Por que Jesus chama os seus discípulos a tomar a cruz deles?
Sexta, 02 de Setembro de 2016

Meus amigos e minhas amigas! Todas as verdades de nossa fé são fonte de graça, de alegria para nós. Pois saber assim quanto Deus cuida de nós, seus filhos e filhas, acompanhando-nos, é conhecer o amor previdente que se antecipa a nós. E quando então mergulhamos na Redenção de Cristo, quando mergulhamos no seu Sacrifício, quando mergulhamos na sua Paixão, quando mergulhamos nesse supremo ato de amor, aí estamos no coração da graça de Deus. A pergunta do compêndio do catecismo da Igreja Católica diz o seguinte: por que Jesus chama os seus discípulos a tomar a cruz deles? Chamando os discípulos a tomar a sua cruz e segui-lo, como vemos em Mateus 16, 24, “Se alguém quiser me seguir, tome a sua cruz e me siga”, Jesus quer associar ao seu Sacrifício àqueles que são os primeiros a serem beneficiados por Ele. Portanto Jesus não apenas nos salva, eu diria assim, de longe, mas quer que nós entremos nesse processo, que participemos com Ele da Redenção.

Paulo vai dizer que “é preciso completar, em nossa carne, o que falta à Paixão de Cristo”. Cristo quer que participemos desse seu gesto salvador, ajudemos, colaboremos, tendo a graça de colaborar para a salvação de outros. Interessante a maneira de agir de Deus, pois o Pai não nos deu um mundo pronto; deu-nos um mundo incompleto e disse: “dominai a terra e submetei-a”. Do Filho, claro, a Redenção é completa, mas nos deu a graça de participar com Ele da Redenção do mundo, levando a nossa cruz com amor, unindo-nos à sua Paixão, unindo-nos a este seu gesto expiatório de entrega, de obediência ao Pai. E o Espírito Santo vai fazer o mesmo.

No campo da santificação, vai querer a nossa colaboração para a santificação do mundo. Deus, portanto, trata-nos de uma maneira única, adulta, como seus sócios, seus colaboradores, não sendo aquele Pai que olha aqueles filhos lá de cima, mas aquele Pai que abraça. É aquele Pai que quer que nós nos unamos a Jesus no seu gesto salvador.

Que graça podermos ser corredentores com Cristo. Claro que todo o mérito é Dele. Claro que Ele não precisaria de nada disso. Claro que o Senhor poderia ter criado o mundo sem nós. Claro que o Senhor poderia ter salvado o mundo sem nós. Claro que o Senhor poderia ter santificado o mundo sem nós. Mas Ele nos quer como participantes ativos, pois chamou o seu Filho e, Nele, chama a nós. Bendito o Pai da Misericórdia.

Que nos trata de uma maneira tão adulta, tão bonita, tão participante, a ponto de podermos, carregando a nossa cruz, ajudar a Cristo nesta extraordinária obra da Redenção da humanidade.

Para que você leve a sua Cruz com amor e colabore neste processo de salvação, façamos a Oração de Divina Misericórdia.

Comentários