Como se realizará a vinda do Senhor da glória?
Sexta, 11 de Novembro de 2016

Meus amigos e minhas amigas! Estamos no Credo, naquilo que se refere a Jesus Cristo. Já vimos a sua vida, paixão, morte, ressurreição, e sua volta ao Pai. E agora estamos refletindo sobre o seu retorno. A humanidade que é chamada a pedir: “vem, Senhor Jesus”. E a pergunta do compêndio do catecismo da Igreja Católica diz o seguinte: como se realizará a vinda do Senhor da glória? Como? Sabemos que haverá um abalo cósmico?

Uma transformação das forças da natureza: tremendo a terra, o Senhor virá de uma forma triunfal. E como Ele virá? Virá para julgar vivos e mortos. Virá como juiz para desvendar os segredos, para dar a recompensa para uns e o castigo para outros. E assim se cumprirá o Reino de Deus. Então Jesus, no início da sua pregação, começou para nós o Reino de Deus. E o Reino de Deus é Ele, Jesus Cristo.

São os seus ensinamentos, seus milagres, seu caminho. E o reino de Cristo terá o seu ápice quando vier para nos julgar, quando Ele vier como Senhor para mostrar que Ele é “o centro da criação”. Como modelo, tudo foi criado para Ele. Para a glória da Santíssima Trindade. O senhor virá e poderemos ficar com medo, ter aquela reação que muitos têm. Afinal, Ele será um juiz que virá com julgamento imparcial e completo.

Sabemos que para aqueles que o amaram, sabemos que para aqueles que o serviram, sabemos que para aqueles que procuraram fazer a sua vontade, esse juiz é um irmão, um Salvador, um amigo. Digo mais: é um amigão.

Trata-se, pois, de nos prepararmos para isso. Trata-se de viver de tal maneira, para que encontremos esse Cristo que virá glorioso, que desejamos que venha. “Vem, Senhor Jesus”. Que este encontro seja um encontro de alegria. Porque os santos esperavam ansiosos, porque para eles é um encontro definitivo com Aquele que eles amaram e serviram. Nós também queremos nos preparar. Viver uma vida santa. Viver uma vida da qual Deus seja o centro, em os preferidos de Jesus sejam os nossos preferidos, a santidade seja a nossa Grande Vocação.

Não importa o estado de vida: solteiro ou casado, bispo ou sacerdote, religioso ou leigo. O importante é que cada um, diante da vocação recebida viva em santidade. Viva na graça, acolhendo cada dom do Senhor, procurando viver intensamente cada momento presentem, confiando no Senhor e não se deixando abater por nada, tendo a certeza de que Cristo é maior do que tudo, mais forte do que tudo. E é Ele que tem e terá a última palavra. Para que você viva assim, rezemos a oração da Divina Misericórdia.

Comentários