Como Cristo julgará os vivos e os mortos?
Sexta, 18 de Novembro de 2016

Meus amigos e minhas amigas! Chegamos ao final da segunda parte. A primeira parte referia-se ao Pai, enquanto a segunda é referente a Jesus Cristo. Depois entraremos na parte referente ao Espírito Santo. E a pergunta é: como Cristo julgará os vivos e os mortos? A pergunta tem sua razão porque Ele diz que um dia virá como juiz dos vivos e dos mortos. Como julgará?

Julgará com poder como redentor do mundo. Ele deu a vida para redimir o mundo e, agora, eu diria que vem quase assim para cobrar o resultado, perguntar a cada um como viveu. E sabemos que os segredos mais escondidos serão revelados. Tudo será revelado. Como cada um amou a Deus, como cada um amou o próximo, como agiu, como se comportou, quais as motivações de cada vida. E este que virá para julgar os vivos e os mortos dará a alguns a vida, aquela vida que ele conquistou. E a outros que fizeram opção pela morte, dará a morte eterna. Sempre lembrando que Deus não quer a morte de ninguém. Ele quer que vivamos, vivamos a sua graça, mas respeita as opções de cada um de nós.

Assim, diz o catecismo, se realizará a plenitude de Cristo. E aqui uma frase de Paulo, 1 Coríntios 15, 28: “Deus será tudo em todos”. Essas verdades que são profundas, diria assim são tremendas, mas não nos devem meter medo, mas devem fazer nascer em nós comportamentos, consequências. Se isto acontecerá, tudo dependerá da maneira como nós respondermos agora aos apelos de Deus, enquanto estamos aqui nesta terra. Como dizemos na Salve Rainha, neste vale de lágrimas estamos no tempo da graça para obtermos merecimentos em nossa fidelidade.

Repito: Deus quer a salvação de todos, ele respeita a opção de cada um, segundo a maneira como cada um de nós vive. Assim seremos julgados. O Senhor, o Redentor não deixará de ser o nosso irmão, não deixará de ser o nosso Salvador, não deixará de ser o nosso amigo. E é dessa maneira que quer nos julgar. Ele, que derramou o seu sangue por nós, não quer que o seu sangue se perca. Ele não quer que caia inutilmente o seu sangue sobre nós. Pelo contrário, ele quer que em nós nasça a vida.

Vejam como é importante viver na santidade, na graça, mas trabalhar para que outros descubram essas verdades. Claro que cada um será julgado, segundo a capacidade que teve de responder a Deus, segundo o conhecimento que teve, segundo a sua consciência, a maneira como respondeu aos apelos da sua consciência. Mas quanto mais alguém conhece o projeto de Jesus Cristo, a sua palavra, mais e melhor terá condições de viver as verdades que Ele lhe ensinou.

Que a graça de Deus atinja em você a plenitude.

Comentários