O que é um Ideal
Sexta, 21 de Março de 2014

Na semana passada anunciamos que revelaríamos mais profundamente quais são os Ideais que fundamentam a Associação Cultural Atena e como eles podem e devem ser alcançados. Sigamos, então, por este caminho.

Inicialmente, devemos entender qual é o verdadeiro significado da palavra “Ideal”. Antes de qualquer coisa, um Ideal é uma ideia, um conceito construído pelo espírito. Sim, mas isto é só uma primeira parte de sua definição. Como diria Annie Besant, um Ideal não pode ser apenas um conceito ou uma ideia, pois muitas das ideias que o homem tem são frívolas, mutáveis e passageiras, e a estas ideias não se pode dar o nome de Ideais.

Para ser um Ideal é preciso mais. O Ideal tem que ser uma “ideia fixa”, e não um pensamento passageiro. Em outras palavras, deve ser uma ideia imutável, invariável, fixa e estável, que exerce uma forte influência sobre o espírito. Além disso, um Ideal deve estar associado a uma “ideia construtiva, vitalizadora, que tenha efeito sobre o caráter humano”; uma ideia que exerça forte influência sobre sua própria vida.

É preciso observar que um Ideal não pode ser confundido com uma ideia falsa (que pode ser fixa) e que não está em harmonia com os fatos e a natureza das coisas. As ideias falsas e fixas produzem os maníacos e não os heróis, idealistas ou santos. Por isso, para ser um Ideal, há de se levar em conta que a ideia fixa deve ser verdadeira, justa, em harmonia com os fatos e de acordo com a verdade.

Há ainda mais um ponto a se acrescentar. A ideia fixa, boa e verdadeira produz o herói, o idealista, o santo; entretanto, aquela que torna um homem um servidor útil da humanidade é uma ideia fixa que é boa e verdadeira, mas que ele possui, e não ela a ele. Parece apenas um simples jogo de palavras, mas há uma profunda diferença, na evolução, entre uma ideia fixa dominar um indivíduo, e um indivíduo dominar uma ideia fixa. É um sinal de evolução ainda mais alta quando o homem possui uma ideia nobre como um instrumento, ao invés desta ideia boa e verdadeira o possuir como um dono. Resumindo, um Ideal é “uma ideia fixa, boa, justa e verdadeira possuída pelo indivíduo, de tal modo viva que influencia o seu caráter.” Além disso, o Ideal forma o caráter, inspira o coração e ilumina o espírito.

Obviamente, um Ideal deve ser vivenciado internamente para que não seja apenas um ídolo. Devemos reproduzi-lo dentro de nós e trabalhá-lo verdadeiramente.

Agora, sim, podemos começar a falar dos Ideais Atenienses. Até semana que vem!

Giancarlo Cerutti Panosso

Comentários