A Individualização
Sexta, 15 de Agosto de 2014

Imaginemos a Unidade Divina. Deus fez todos os seres dentro de uma proposta una de interação para que, num universo em constante atividade, todos possam evoluir até o ponto da percepção da grandeza de sua obra e entendimento da proposta de Amor e Harmonia expressa em sua esplendorosa Bondade. A partir desse ponto, em que se passa a conhecer a Lei que impera neste universo (chamada de Dharma pelos orientais), a alma humana já adquire condições de atuar como agente difusor da “boa nova”, da “palavra”, do “verbo”, que são expressões utilizadas pelo homem para indicar a própria Lei em ação.

Este é o sentido da individualização que tanto se discute na Filosofia, na Teosofia e em algumas Religiões, buscando alertar o homem para que siga na trilha certa da evolução espiritual e não caia em armadilhas criadas por ele mesmo ao longo de sua progressiva caminhada. A individualização não é a individualidade egoísta e fechada com a qual muitos se identificam quando não compreendem que tudo e todos estão intimamente inter-relacionados neste nosso universo. Pelo contrário, a individualização, por essência, é uma etapa evolutiva e de percepção a que devem chegar todos os seres, para que possam efetivamente participar como auxiliares divinos no progresso dos demais que ainda não despertaram para a Lei do Amor e da Bondade.

Na semana passada comentamos que Deus é Uno, mas se manifesta através de três aspectos primordiais no plano criado por ele mesmo: a Vontade, a Sabedoria e a Atividade (ativa Inteligência). Pois é através destes aspectos que o homem encontra os fluxos descendentes que determinam os três grandes tipos de individualização. 

O primeiro tipo de individualização pode ser determinado pela Ação. Compreendendo a Lei do Karma (da Ação e Reação), o homem pode atuar de forma acertada, em concordância com o que dita o Dharma - o caminho traçado por Deus. A Ação alcança e atrai a Vontade. A inação nos torna comuns e vulneráveis às ondas externas e acabamos atrasando nosso processo de individualidade.

O segundo tipo de individualização é determinado pelo Amor. O Amor em questão é aquele que engloba todas as coisas e todos os seres. Nada pode ficar de fora de sua abrangência, nem mesmo o mais terrível dos nossos inimigos. Através do Amor é que se alcança e se atrai a Sabedoria Divina.

O terceiro tipo de individualização é determinado pela Mente. O raciocínio lógico associado ao pensamento humano permite a terceira via de individualização na evolução dos seres. A Mente alcança e atrai a Inteligência e, através desta, podemos realizar nossas obras no mundo manifestado de forma proativa e em consonância com todos os aspectos da Divindade.

Estes seriam os três meios “normais” de individualização. Existem outros, mas não cabe citá-los no momento, pois são meios que acabam ocasionado muita tristeza ao homem durante o seu progresso.

Continuamos na semana que vem!

Comentários