Ferritina
Sexta, 10 de Abril de 2015

Cada vez mais surgem em meu consultório pessoas reclamando que no exame de sangue acusou ferritina alta.  Contam, no geral, que conhece dois ou mais amigos que apresentam o mesmo problema. Seria uma doença nova ou como se diz da moda? 

A ferritina é uma proteína produzida em nosso organismo encarregada de armazenar o ferro que não está sendo utilizado em outros órgãos. O corpo humano usa o metal ferro para compor alguns de suas células. A hemoglobina responsável pelo transporte do oxigênio do pulmão até as células é composta por ferro, constituindo-se na maior reserva do metal no organismo contendo cerca de 2,5 gramas. Os músculos, outras células algumas enzimas num total de 400 mg. A ferritina, o baço e o fígado contém um total de 1 grama do metal.

O ferro do organismo é obtido através da alimentação. Sua absorção é estimulada pela vitamina C se faz no intestino delgado. Sua excreção se faz principalmente pela descamação de células da pele ou do intestino. Ingerido em excesso pode levar a uma elevação dos depósitos de ferro prejudicando o organismo. Uma redução leva a uma anemia chamada ferropriva, muito comum em mulheres adultas  que apresentam profusas menstruações e em grávidas que ingerem  alimentos pobres em ferro. 

Para iniciar a análise sobre a ferritina vamos ver seu significado: A ferritina é uma proteína produzida principalmente pelo fígado, cujas funções básicas são: carregar ferro e mediar o processo de inflamação. Como tal os médicos solicitam sua dosagem quando suspeitam de uma anemia por falta de ferro, ou em situações que há excesso do metal e também em diversas doenças que podem aumentar esse marcador como infecções, doenças do fígado, obesidade, diabete e mesmo em alguns casos de cânceres.

A ferritina, então, pode estar ligada a um aumento do ferro que obriga o fígado a produzir esta proteína para seu depósito mas, pode muitas vezes não estar ligada a aumento do metal devendo então ser afastada outra causa de sua elevação. Além de um bom exame clínico o médico pode lançar mão de outros recursos como dosagem do ferro sanguíneo, de outros marcadores como a transferrina que associados nos indicam a origem da elevação. Por vezes o diagnóstico é difícil exigindo exames genéticos, exames de imagem como ultrassom e ressonância magnética e até uma biópsia (retirada de pequeno fragmento do fígado).

A ferritina elevada com excesso de ferro, muito estudada nos últimos tempos, pode ter efeitos muito negativos para o organismo. Ao aumentar o ferro aumentam também os radicais livres prejudicando o coração, o fígado, as artérias, as articulações, e mesmo órgãos endócrinos como o pâncreas (diabete), a tireóide e os testículos reduzindo a produção de testosterona. Há estudos ainda não comprovados que o ferro elevado está ligado ao envelhecimento precoce, a alguns cânceres bem como a temida doença de Alzheimer.

Em casos de ferritina muito elevada e com dificuldade para baixar tem de se pensar numa doença hereditária chamada hemocromatose que deve ser tratada com muita atenção pois é uma doença crônica com efeitos muito ruins para o organismo. O diagnóstico desta doença é feito por exames genéticos.

Em caso de ferritina elevada como devo me comportar? - Uma consulta médica é obrigatória para saber se a ferritina é acompanhada de excesso de ferro ou ela é causada por outras doenças como diabete, hepatite, inflamações e tantas outras. Em caso de ferritina elevada por excesso de ferro duas medidas se impõe:

1. Restrição de ferro na dieta. As carnes, vísceras de animais, embutidos, peixes e frutos do mar, melado de cana são ricos em ferro e devem ser evitados. A frutose contida em sucos, principalmente industrializados é altamente prejudicial e deve ser evitada. O feijão, as folhas verdes, beterrabas podem ser ingeridas separadas das carnes. Alimentos preparados em panelas de ferro também são desaconselhados.

2. Sangrias ou doação de sangue. A presença de ferritina não contraindica a doação de sangue que deve ser feita de 2/2 meses. Em caso de ferritina muito elevada com excesso de ferro pode-se praticar sangrias quinzenais ou até semanais.

3. Os medicamentos chamados quelantes não são muito recomendados pois apresentam efeitos colaterais importantes além de um custo muito elevado.

Se alguém de tua família apresentar ferritina elevada lembre-se:

Uma consulta com médico é importante a fim de não tomar medidas indevidas.

Em caso de ferro elevado faça uma dieta recomendada.

As sangrias devem ser feitas em ambientes de banco de sangue ou de hospitais.

Se não tiver outro problema doe sangue pois, ferritina elevada não contraindica a doação.

O uso de chás verde e café junto às refeições reduzem a absorção do ferro.

Ferritina pode se elevar no diabete, nas doenças do fígado e nas infecções.

Comentários