Síndrome metabólica (parte 2)
Sexta, 13 de Novembro de 2015

Na semana passada introduziu-se a respeito da síndrome metabólica, assunto que segue nesta coluna. Lembremos: por síndrome, entende-se em medicina um conjunto de sintomas e sinais que caracterizam uma patologia. A síndrome metabólica, antigamente chamada de síndrome X, é uma doença da civilização moderna e é caracterizada por diversos sintomas e sinais ligados à obesidade e a outros fatores.

 

As pessoas que têm mais chances de desenvolver a síndrome metabólica são:

As que têm familiares com diabete tipo II, obesidade tipo abdominal, hipertensão arterial. 50% dos afetados tem forte ligação genética.

As pessoas que após os 16 anos engordam 2,5 kg ou mais por ano.

Pessoas que ingerem muitos carboidratos e açúcar sob a forma de doces ou de refrigerantes.

Fumantes e alcoólicos.

Pessoas sedentárias que permanecem sentadas em seus escritórios, não se exercitando ao ar livre e nem em academias.

Mulheres pós-menopausa ou que fazem uso de medicamentos antidepressivos ou antipsicóticos.

Tratamento:

A síndrome metabólica é uma doença grave que reduz muito a sobrevida das pessoas, influenciando também na qualidade de vida dos atingidos. Por outro lado, é um problema que tem solução, se tratado a tempo. Para tanto, necessita de acompanhamento médico, pois muitos são os fatores que podem gerar complicações sérias.

Grande parte do tratamento depende exclusivamente do paciente, que necessita uma profunda mudança comportamental, passando a fazer dieta rigorosa, com redução do álcool e do cigarro, bem como a prática de exercícios físicos regulares.

O segundo componente do tratamento são os medicamentos que devem ser prescritos de acordo com cada paciente corrigindo as alterações existentes. Lembre-se sempre:

Se tiver na família antecedentes com diabete tipo 2, obesidade abdominal, hipertensão arterial, abandone o álcool e o fumo, reduza muito o sal, elimine o açúcar de sua dieta e tenha uma vida fisicamente ativa, exercitando-se 50 minutos, cinco vezes por semana.

Comentários