Hipocondríaco – cibercondríaco (Parte 1)
Sexta, 10 de Fevereiro de 2017

Até os idos de 90, a medicina carecia de alguns estudos e recursos diagnósticos hoje existentes. Os médicos especialistas em gastroenterologia encontravam um elevado percentual de pessoas que se queixavam principalmente de dores abdominais sem correspondência nos exames realizados. Atribuíam à imaginação dos pacientes, ao seu estado mental e às vezes nas vantagens auferidas por estarem doentes. Esses pacientes eram chamados de hipocondríacos, uma vez que suas queixas principais se localizavam abaixo do músculo diafragma na região anatômica chamada hipocôndrio.

Eram pessoas que perambulavam de consultório em consultório, às vezes consultando dois médicos por dia, pois, quando eram rotulados de doentes psicossomáticos, se revoltavam contra o profissional. Ao procurarem médicos traziam informações obtidas na comunidade sempre identificando uma doença relatada em parentes, conhecidos ou mesmo em pessoas famosas acometidas de queixas semelhantes.

Em cidades pequenas eram conhecidos entre os médicos que os olhavam com certo desdém. Eram pacientes que sofriam e faziam sofrer sua família e seus amigos. Muitas vezes eram dispensados de seu trabalho devido ao seu regular absenteísmo no trabalho.

Inconformados com esta situação, um grupo de médicos de diversas nacionalidades, inclusive do Brasil, liderados por um professor americano chamado Douglas Drossmann iniciou estudos sobre o assunto. Gradativamente, a maioria dessas doenças e dores tem sido esclarecida. Não são imaginárias, mas reais, sendo devidas a uma modificação da sensibilidade do cérebro e dos órgãos internos. Experiências feitas com grande esmero científico mostram a existência real dessas doenças, que, no entanto, não são identificadas por qualquer exame complementar, disponível na medicina clínica atual. Em pesquisas médicas científicas sua existência é comprovada. São chamadas "doenças funcionais", hoje responsáveis por uma quarta parte das consultas médicas feitas nos consultórios de gastroenterologia.

Comentários