Câncer Colorretal
Sexta, 18 de Abril de 2014

Prevenção

O Câncer colorretal é um dos poucos tumores malignos que podem ser eficientemente prevenidos, pois na maioria deles o início se faz por um pólipo (verruga), ainda benigna que se for removida evitará que o paciente tenha, no futuro, um terrível e maligno câncer colorretal.

Aconselham-se medidas comportamentais para evitar este câncer como, ter atividade física; abandonar o fumo e reduzir o álcool; reduzir a quantia de gorduras animais na dieta e aumentar a quantia de fibras na alimentação principalmente as do gênero brassica (repolho, couve, brócolis, nabo e mostarda).

Nos Estados Unidos está havendo uma redução de 3% ao ano da incidência de tumores colorretais nos últimos 5 anos. Esta redução é principalmente notada nas pessoas de origem europeia. A redução é menor nos negros e nos hispânicos porque são os que menos aderem a medidas preventivas. Em média, 65% dos americanos de origem europeia maiores de 50 anos fazem seu acompanhamento para prevenção da doença.

Os seguintes grupos de pessoas devem adotar medidas preventivas:

Maior de 50 anos

Filhos, netos, sobrinhos e irmãos de pessoas que tiveram a doença

Quem teve alguma vez tumores de intestinos ou pólipos

Quem tem doenças inflamatórias crônicas como a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn

Se for mulher que já teve câncer de endométrio ou de mama

Quem quando criança fez radioterapia ou múltiplas tomografias para diagnóstico e tratamento de tumores abdominais

Quem responder sim alguma das questões acima, deverá pensar de imediato na prevenção usando um ou mais exames indicados a seguir:

1. Um bom exame clínico seguido de toque retal que pode identificar tumores baixos.

2. Pesquisa de sangue oculto nas fezes que pode ser feito por três métodos. O comum, realizado com o uso de guaiaco, barato mas com pouca sensibilidade. O método imunohistoquímico, mais eficiente e também mais caro. E, muito eficiente mas pouco disponível em nosso meio, a pesquisa do DNA fecal (S-DNA) que é de grande sensibilidade.

3. Raio-X de intestino grosso. Exame disponível, é pouco usado para esta finalidade pois tem baixa sensibilidade deixando escapar tumores e pólipos pequenos.

4. Retossigmoidoscopia flexível. É um exame endoscópico que analisa os 50 últimos centímetros do intestino grosso. 2/3 partes dos tumores colorretais aí se localizam. Exame barato, fácil de realizar e seguro é ainda muito usado em muitos países associados à pesquisa de sangue oculto como métodos de prevenção. Sua deficiência é a não visualização das partes proximais do cólon. 

5. Colonoscopia: É uma endoscopia que visualiza todo o intestino grosso. Dispendiosa, difícil de conseguir pelo SUS, é considerada o exame padrão ouro na prevenção do câncer colorretal. Para sua realização o paciente deve realizar uma dieta prévia e uma sedação durante o exame. Tem 98% de eficiência. Para as pessoas sem ligação a fatores de risco sua realização deve ser feita após os 50anos. Tem 2% de complicações sérias. É curativa quando resseca pólipos e evita sua malignização.

6. Colonoscopia virtual. É feita em tomógrafo, eficiente, segura, pouco disponível em nosso meio, tem a limitação de não poder biopsiar e nem ressecar os pólipos.

A ONG American Task Force que orienta a população de como prevenir o câncer colorretal sugere que, pessoas que tenham respondido não às perguntas acima devam fazer uma colonoscopia de 10 em 10 anos, a partir dos 50 anos, uma retossigmoidoscopia aos 5 anos e teste de sangue oculto nas fezes anualmente. Exames de sangue não são úteis na prevenção. Lembre-se:

Se sua resposta às perguntas formuladas for sim procure médico especialista para orientação.

Adote sempre um sistema de vida saudável.

Comentários