Doenças do fígado
Sexta, 09 de Maio de 2014

Hepatite B

Hepatite B é a mais frequente infecção no mundo. Calcula-se que próximo de 2 bilhões de pessoas adquiriram a doença e que, destes, 400 milhões permaneçam com ela. A hepatite B preocupa pois pode se tornar crônica, evoluir para a cirrose e para o câncer de fígado. Noventa por cento das crianças que foram contaminadas no período perinatal, não eliminarão o vírus e poderão evoluir para a forma crônica. Quando contaminadas na idade entre 1 e 5 anos, aproximadamente 25% poderão ter uma evolução para as formas crônicas. Entre os adultos, a possibilidade de eliminar o vírus após um contágio, é de até 95%.

O vírus da hepatite B é transmitido pelo sangue, sêmen e líquidos vaginais. É um vírus muito resistente pois consegue permanecer vivo por diversos dias no ambiente externo e resiste a altas temperaturas, inclusive a rápidas fervuras.

Sua transmissão se faz por produtos que contenham ou estejam contaminados por resíduos sanguíneos. Exemplos são o compartilhamento de escova de dente, de aparelho de barbear, de seringas em usuários de drogas, em tatuagens, instrumentos de manicure e até em dentistas e em hospitais que não usam esterilizar seus instrumentos. Foi muito transmitido por transfusões de sangue, mas não é mais a partir de 1972 quando passou a ser obrigatório o exame para hepatite B em doadores bem como a proibição da compra de sangue. As pessoas mais vulneráveis são os funcionários de estabelecimentos de saúde, os usuários de drogas, os tatuados, os que praticam sexo sem proteção e os familiares de portadores do vírus B. No entanto, o grupo de maior risco, pela probabilidade de evoluir para as formas crônicas, é o de recém-nascidos de mães portadoras do vírus B.

Para entender a infecção podemos dizer de maneira simplificada que quando uma pessoa adquire o vírus B pode reagir de 3 maneiras. Criar anticorpos que agirão contra o vírus e nesta reação destroem-se as células do fígado criando amarelão, fraqueza, febre que são sintomas da hepatite aguda e que na grande maioria das vezes destrói o vírus e fica curado. Em casos raros a doença pode evoluir para hepatite fulminante culminando com a morte de seu portador. Uma segunda maneira é quando o paciente não consegue eliminar o vírus que permanece no organismo estabelecendo a hepatite crônica. Uma terceira forma é quando o vírus penetra no organismo e não há reação imunológica permanecendo o vírus no organismo sem criar doença ativa, transformando-se em portador sem sintomas. 

O diagnóstico é feito pelo exame clínico seguido de exames de sangue. Em mãos de especialista o diagnóstico é muito preciso oferecendo orientação para um bom tratamento.

O tratamento da hepatite na fase aguda é simples, constando em repouso, dieta sem álcool, e medicamentos para tratar os sintomas. Na fase crônica, no entanto, o tratamento é complexo e longo pelo uso de medicamentos fortes e caros devendo ser feito por médicos experientes no assunto com quem se tem bons resultados. Quando presente a cirrose, os cuidados devem ser redobrados e, por vezes, pode vir a ser necessário um transplante hepático. Em casos de câncer do fígado, o prognóstico é ruim e o tratamento é cirúrgico ou por quimioterapia.

A prevenção se faz com vacinas muito eficientes que serão aplicadas em três doses. A primeira no dia zero, a segunda no dia 30 e a terceira no dia 180. A vacina é segura e eficiente e é fornecida pelo sistema público de saúde em situações específicas.

Hepatite D

A hepatite D ocorre sempre em associação com a hepatite B. Calculam-se que 5% dos pacientes com infecção crônica da hepatite B terão a hepatite D. É mais comum em países que circundam o Mediterrâneo e em usuários de drogas. É uma doença grave e sua prevenção se faz pela vacinação contra a hepatite B.

Lembre-se:

Faça a vacina em todos os familiares. A pessoa que já passou esta hepatite está imunizada.

Evite compartilhar seringas, escovas de dentes e aparelhos de barbear. Na manicure tenha seus instrumentos próprios e proteja-se quando lidar com sangue. Pratique sempre o sexo seguro.

Evite toda e qualquer bebida alcoólica se estiver com a doença.

Seja persistente no tratamento da hepatite pois o mesmo é prolongado, mas eficiente.

Comentários