Efeitos nocivos do álcool - 2
Sexta, 18 de Julho de 2014

No aparelho digestivo o álcool causa uma gastrite aguda determinando náuseas e vômitos intensos. Assim, quando uma pessoa não acostumada ao uso do álcool exagera na medida ficará com dor no estômago, náuseas, vômitos intensa sede e aversão ao alimento. Com a continuação do uso da bebida, a doença torna-se crônica, fazendo a pessoa perder o interesse pelo alimento favorecendo assim a desnutrição.

No fígado há uma progressiva destruição das células hepáticas, chamada de hepatite alcoólica, impedindo o fígado de metabolizar o álcool. A não metabolização do álcool leva a um grande acúmulo do tóxico no sangue agravando seu estado mental, criando uma progressiva destruição das células hepáticas. Este processo culmina na cirrose alcoólica, doença que não tem cura. O tratamento da cirrose é o transplante hepático, mas somente é feito em pessoas que comprovam o abandono definitivo da bebida. Com isto, de cada 10 pacientes com cirrose alcoólica, no máximo uma será beneficiada pois as outras não conseguem se ver livre do vício. Mesmo assim, 20% dos transplantes hepáticos são feitos por cirrose alcoólica. O vinho é um grande causador da cirrose hepática, principalmente quando seu uso inicia na infância como se faz nas regiões produtoras. A França detém o título de campeã mundial da cirrose. O título de campeã brasileira da cirrose pertence a Caxias do Sul. 

Bebedores contumazes de destilados como cachaça, vodca e uísque podem desenvolver uma doença do pâncreas chamada pancreatite crônica, doença incurável que determina grande sofrimento pelas dores que causam e levam o paciente a uma grave desnutrição. O uso dos destilados podem também causar uma pancreatite aguda, doença grave e muitas vezes fatal.

O álcool e os componentes das bebidas alcoólicas estão relacionados como fatores causais de câncer da boca, da laringe, do esôfago, do estômago e do pâncreas.

Embora o álcool em pequena quantia poderia ser protetor das artérias e do coração por aumentar o HDL colesterol, seu uso contínuo poderá determinar lesão do músculo cardíaco, causando insuficiência cardíaca, bem como pode causar um aumento da pressão arterial.

O álcool age nas glândulas endócrinas causando impotência sexual no homem e alterações menstruais na mulher.

Pessoas com diabete que fazem uso de insulina devem evitar o álcool, pois seu fígado pode ter dificuldade de liberar glicose causando hipoglicemia que pode determinar coma hipoglicêmico. 

O tratamento do alcoolismo será tratado no próximo artigo.

 

Comentários