Doenças causadas pelo cigarro (tabaco)
Sexta, 01 de Agosto de 2014

 

  Até os anos 60 fumar era elegante, sendo que os principais artistas de cinema fumavam criando um comportamento doentio na juventude, principalmente nos rapazes. Vendo o malefício do fumo, a Igreja Assembleia de Deus criou um programa de conscientização dos jovens que era feito gratuitamente sob a forma de cursos ministrados por pastores e médicos 2 vezes por ano.

A partir dos anos 80, as entidades médicas, dando-se em conta os malefícios do fumo, iniciaram intensa campanha para apontar os malefícios do fumo. O Governo Federal entusiasmado pelo grande volume de taxas recebidas na venda do cigarro custaram a entender que os danos e custos sociais eram mais importantes do que os impostos recebidos. As campanhas governamentais contra o fumo iniciaram apenas na década de 90. Como Secretário Municipal da Saúde, em 1998, fiz uma intensa campanha contra o fumo, que foi muito bem recebida pelos hospitais e muitos prédios públicos que adotaram a prática de proibir o uso do cigarro em suas dependências. Algum tempo depois, para o bem de todos, o uso do cigarro foi proibido em todos os locais públicos fechados.

O cigarro se constitui na maior causa evitável de morte. Mata mais do que o álcool, do que a AIDS, do que drogas e, na maioria dos países, mais do que acidentes de trânsito. Todo o fumante tem uma expectativa de vida menor do que o não fumante, de cerca de 10 a 15 anos. Mais grave ainda é de que o fumante frequentemente associa outros hábitos indesejáveis como o álcool e drogas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o total de mortes devido ao uso do tabaco em 2010 atingiu a cifra de 4,9 milhões em todo o mundo. Em 2030 esse número subirá para 10 milhões de pessoas. O pior é que a maioria das mortes pelo tabaco ocorrem em indivíduos na idade produtiva (entre os 35 e os 69 anos). A OMS calcula que, no mundo, 1,2 bilhão de pessoas fumam. Nos países em desenvolvimento a grande maioria é de homens, situação que está se invertendo nos países desenvolvidos onde as mulheres têm fumado mais. Uma grande preocupação é de que todos os anos cerca de 100 mil jovens menores de 18 anos tornam-se tabagistas. 

Uma pergunta recorrente é se outras formas de usar o tabaco são prejudiciais? Como alternativas temos o palheiro, menos prejudicial pois não contém as substâncias químicas do papel e como o fumante é obrigado a confeccioná-lo determina um uso de quantidade reduzida. O cachimbo e o charuto incidem na mesma situação do palheiro mas são igualmente prejudiciais. Os cigarros “light” têm demonstrado nas pesquisas que são igualmente prejudiciais, pois, se de um lado contém menos nicotina, por outro, o fumante necessita maior número para completar seu desejo pela nicotina, levando a ingerir um maior número de outras substâncias tóxicas que o filtro não impede a sua inalação. 

(continua na próxima semana).

Comentários