De que forma o dinheiro passa pela vida
Sexta, 30 de Janeiro de 2015

     Convivemos incansavelmente com as cifras monetárias, parte da vida consumindo valores superiores ao conquistados, pois nascemos “carecas, pelados e sem dente” e no passar do tempo mudamos de deficitários para superavitários. Nos escritos e planejamentos deveria ser desta forma.
    Da mesma forma que somos passageiros por este local chamado planeta Terra, nossa vida também desenvolve-se em ciclo. Podemos dizer três grandes ciclos.
    No primeiro ciclo de vida que parte com o nascimento e percorre até os 25 anos aproximadamente, é a fase onde gastamos mais ou, podemos dizer, muito mais que ganhamos. Neste ponto somos suportados por nossos pais que vai deste a amamentação à adolescência, onde o mundo nos apresenta inúmeras opções, incluindo a carreira profissional que é uma das primeiras grandes escolhas e decisões importantes - e termina com a entrada ao mercado de trabalho por volta dos 23 a 25 anos de idade.
    Neste segundo ciclo encontra-se o mais importante de todos, é o ponto onde tomamos nossas próprias decisões incluindo a da liberdade financeira, o desligamento dos nossos pais financeiramente. Dentre estes 30 anos próximos, somos responsáveis pela forma que viveremos a terceira. Aqui os anseios e vontades tornam-se mais constantes, buscamos o emprego perfeito, a compra de bens (carro, casa, demais), o encontro da metade da laranja, as viagens. Tudo que o mundo nos apresenta queremos pegar. A geração de renda que é de responsabilidade nossa, apresenta-se mais difícil, mais demorada. Tão importante é a geração de renda, quanto a forma que conquistamos e multiplicamos através de compras, abertura de empresas, qualificação profissional, é a forma que convivemos com o dinheiro e investimos. A fase de vida que normalmente vai dos 25 anos de idade até os 55 é de extrema relevância. Temos a necessidade, ou vontade, de ganhar um bom dinheiro, construir riqueza para dispor aos nossos filhos – que estão iniciando o primeiro ciclo de vida – e guardar para bom proveito dos anos seguintes. E isso só vai ser possível com conhecimento, planejamento financeiro e escolhas coerentes de investimentos.
    O terceiro ciclo da nossa vida está muito ligado às escolhas do anterior. Com a expectativa de vida aumentando, o que nos traz a felicidade de vivermos mais, traz junto a herança das nossas escolhas durante os anos. Conseguimos fazer a transição entre os dois ciclos de forma natural ou prolongamos a nossa vida ativa de longos anos. Quantas das pessoas próximas a nós que possuem 60 anos de idade ou mais e usufruem de uma vida de descanso, de boa condição financeira e de novas experiências com viagens, com desafios que realizam por prazer.
    “De pouco vale uma aposentadoria com riqueza se os passos dados durante a vida foram de miséria”.
 

Comentários