Invista em Renda Fixa de forma inteligente: dez pontos para criar sua estratégia – Parte 3
Sexta, 11 de Setembro de 2015

Chegamos hoje na terceira coluna que descreve alguns itens sobre Renda Fixa, tema este que é de grande importância na atualidade vista a elevação da taxa básica de juros da economia.
9. Escolher a forma de remuneração
Quando menciono a forma de remuneração de seus investimentos, é preciso analisar a necessidade de fluxo de recebimento mensal, semestral, anual ou se o desejo é “levar” seus investimentos até a data de vencimento, o que é necessário em alguns casos.
Aqueles que desejam um fluxo maior de recebimentos recorrentes são, em geral, investidores aposentados que apresentam a necessidade de ter um fluxo para utilizar como capital de giro. Caso você não tenha esta necessidade, lembre-se que, em geral, quanto mais tempo o investimento ficar sem uso, maior poderá ser o retorno dos investimentos (juros compostos). O ideal é “casar” forma de remuneração com seus objetivos.
10. Entender a tributação
Deixam-se de lado algumas modalidades de investimento que possuem isenção de Imposto de Renda, caso da LCI e LCA, por exemplo, e considera-se que é preciso se atentar ao modelo de tributação, que difere entre ativos de renda fixa e de renda variável.
Em renda fixa, a tributação é regressiva. Ela inicia com a cobrança de 22,5% sobre os ganhos e cai 2,5% a cada seis meses até completar dois anos, quando a tributação atinge sua cobrança mínima, que é de 15%. É interessante lembrar que a tributação é apenas e sempre sobre os ganhos no período de aplicação e não sobre o montante total aplicado.
Com os juros no patamar atual, todo brasileiro deve aproveitar para investir e garantir excelentes retornos acima da inflação, o que não acontece na caderneta de poupança, por exemplo. Atenção especial aos títulos públicos e também às Letras de Crédito. Se você ainda não investe em renda fixa, aproveite o texto para criar sua estratégia e comece a aproveitar a possibilidade de ganho real expressivo.
Tão importante quanto escolher a melhor ou as melhores possibilidades de investimento é a diversificação do portfólio. A grande maioria das pessoas bem-sucedidas possui mais de uma fonte de renda e a alocação dos valores não foge o alcance do olhar para o acompanhamento. É prudente dispor de profissionais para auxílio e gestão de seu dinheiro sim, da mesma forma ou mais como o acompanhamento do processo é importante.

Comentários