Onde investir em 2016
Sexta, 15 de Janeiro de 2016

“Compre ao som dos canhões, venda ao som dos violinos” (Warren Buffett).

“O mercado pode permanecer irracional por mais tempo do que você pode se manter solvente” (John Maynard Keynes).

As duas emblemáticas frases sobre o mercado financeiro não foram escolhidas à toa para encabeçar o guia "InfoMoney Onde Investir em 2016". Me acompanhem que explicarei melhor. Se existe algo que aprendemos em 2015, foi que a expressão "nada está tão ruim que não possa piorar" de fato é verdadeira. Aquelas projeções para a economia brasileira no final de 2014, que pareciam tão pessimistas, na verdade "esconderam" o pior que estaria por vir. E a ausência de um sinal claro de que aprendemos com os erros cometidos só nos leva a crer que a recuperação não deve chegar em 2016.

O reflexo no mercado financeiro foi ruim para uma grande parte, mas houve também quem lucrou nessa história: a taxa de juros e o dólar escalaram novos picos em 2015, enquanto a Bovespa teve um desempenho negativo e completou o 5º ano de "derrota" para a renda fixa. Contudo, a disparada do dólar fez a alegria das exportadoras listadas na bolsa, em especial às produtoras de celulose. Já a Selic galopante deu aos investidores de renda fixa ganhos ainda mais gordos, sobretudo com ativos isentos de imposto de renda (LCIs e LCAs) e CDBs de bancos médios.

Há quem diga que as duras quedas de algumas ações na Bolsa abriram uma ótima oportunidade para quem quer fazer uma carteira de longo prazo. A frase do mestre Warren Buffett, citada no começo deste relatório, soa perfeitamente para este momento. No entanto, trago também a frase de Keynes para iniciar meu argumento um tanto quanto cético sobre essa "pechincha" da Bovespa e, dessa forma, acalmar os ânimos dos investidores mais ansiosos por irem às compras.

Primeiro, um argumento técnico: historicamente, a Bovespa ainda não está barata. Uma matéria que eu fiz em setembro e que ainda está bem atual, explica muito bem essa tese. Segundo: a irracionalidade do mercado deve ganhar ainda mais força em 2016, já que certamente vamos presenciar uma piora ainda maior na economia e os "respingos" que cairão na já tão tumultuada cena política. Encontraremos "ações baratas" na Bolsa? Com certeza sim! Mas, quanto tempo irá demorar para que elas voltem ao "preço normal" e você lucre com essa aplicação? Essa questão do "tempo de duração do investimento" que não está explícita na frase do Buffett que seria na prática a duração entre o fim dos sonhos dos canhões e o início das doces violinadas. E esse ponto ganha ainda mais importância em um país como o Brasil, onde o "custo de oportunidade" é muito alto pra que ficar 5 anos sofrendo ao esperar que uma tese de investimentos na Bolsa dê certo, se eu poderia ganhar tal rendimento de forma gradativa neste mesmo período com alguma aplicação na renda fixa, beneficiada por esta taxa de juros tão alta?
Essa é a tese que resume o guia, ao invés de nos debruçarmos em busca de barganhas na Bolsa, acreditamos que o melhor ainda é buscar opções sólidas na Bovespa que inclusive ganharam um pouco mais de atratividade com as quedas apresentados nos últimos meses de 2015 e também manter uma fatia da carteira exposta em dólar e em renda fixa. Ou seja: como não vemos sequer resquícios de luz no fim do túnel, preferimos manter a cautela para não pagarmos o preço do "timing" errado da virada, preço que é muito alto neste Brasil de Selic acima de 14% ao ano.

Comentários