Crescimento do PIB Brasileiro
Sexta, 27 de Junho de 2014

A sina do “ego abalado” novamente torna-se realidade. Relatório após relatório, as projeções de crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil são revisadas e digamos, tornando-se realidade por vários fatores. Bancos Privados e agências de classificação de risco assim relatam.

A desaceleração dos investimentos, o fraco consumo e a piora do sentimento de empresários e famílias geram um ciclo vicioso que faz com que as previsões de crescimento de curto e médio prazos no Brasil sejam continuamente rebaixadas, apontou a Moody's em relatório distribuído a clientes.

No Cenário atual, a agência internacional de rating reduziu suas previsões pare o PIB do País relativas a este ano, de 1,8% para 1,3%, e para 2015, de 2% para 1,5%. Análise produzida por Mauro Leos, vice-presidente, Petar Atanasov, analista associado, e Bart Oosterveld, diretor-geral para crédito soberano.

“Na nossa opinião, a interação entre as expectativas e o desempenho da economia estão criando um ciclo vicioso, no qual cada um afeta o outro”, aponta o relatório.

“O desempenho fraco da economia se traduz num sentimento de mercado ainda mais negativo, que leva a investimentos e gastos do consumidor mais fracos, e assim por diante.”

Segundo os especialistas da Moody's, “o governo não pode quebrar este ciclo” negativo devido a dois fatores: um deles é limitada capacidade de adotar medidas fiscais e monetárias apropriadas, devido aos níveis “relativamente elevados” de dívida pública e de inflação.

Um outro elemento muito relevante são as crescentes reservas de investidores sobre a “capacidade das autoridades” de adotar ações que vão atacar de frente as principais questões econômicas, tais como crescimento, inflação, problemas fiscais.

E isso está relacionado com o baixo nível de eficiência das medidas de política econômica adotadas nos últimos anos.

Um país com potencialidades e riquezas na proporção de sua grandeza, ajustes não realizados e políticas que não vêm de encontro com crescimento e maturidade que acreditasse ter, proporciona um débito nada saudável a ser em convocação geral a sua população. Energia elétrica com altas no custo agendadas, combustível com defasagem de preço, infraestrutura cambaleante.

Oneroso ou não, nos preparamos para pagar a conta.

Comentários