A ampulheta
Sexta, 31 de Outubro de 2014

Amigos, gostaria de começar a coluna desta semana com algumas colocações para que todos possam pensar sobre a vida, mas principalmente sobre a velocidade em que ela está passando. Vocês perceberam que mais uma vez estão lendo a coluna semanal, chegamos a mais uma sexta-feira, estamos nos aproximando de mais um início de mês e principalmente, a cada dia mais perto do final do semestre, das férias, do natal e do ano novo? Com essas perguntas sendo respondidas no seu interior, posso imaginá-lo surpreso e até mesmo assustado pensando o que fez durante a semana e durante todo este ano. E é com esta proposta que venho falar um pouco sobre a ampulheta que se torna a nossa vida, pois a cada dia vivido estamos mais próximos da morte.

Todos os dias acordamos e seguimos o nosso caminho, seja indo ao trabalho, à escola ou mesmo realizar as inúmeras tarefas que temos ao longo do dia. Estamos em contato com o mundo, conhecendo diariamente muitas pessoas, nos divertindo, as vezes nos magoando, mas sempre vivendo. Almoçamos rapidamente, mal conversamos com nossos familiares. Os amigos e conhecidos ligam, mas não podemos atender pois estamos atrasados para o compromisso da tarde que passa voando como um beija-flor e num piscar de olhos estamos no pôr-do-sol, com a lua se aproximando até que para finalizarmos um dia tão corrido nada melhor que a nossa cama.

Possuímos a nossa rotina e quando percebemos estamos deitados a espera de um novo dia. Quando percebemos mais um final de semana se aproximou. Quando percebemos estamos recebendo o salário do mês seguinte. Quando percebemos é natal e o ano novo chegou. Quando percebemos estamos casados e com uma família formada. Quando percebemos estamos aposentados e quando não percebermos, já era! Acabou! A vida passou. O que eu fiz? Aproveitei a minha vida como deveria ter feito? Conversei com as pessoas que amava? Fiz o meu papel de verdade?

Estamos nos aproximando mais um ano do dia dos finados e esta é uma data que nos faz refletir e pensar se o que estamos fazendo em nossa vida está correto e sendo aproveitado de maneira correta. E se tudo acabasse hoje? Não devemos nos assustar pois a única certeza que todos temos, é a morte. O que deve-se fazer é aproveitar e pensar que hoje pode ser nosso último dia e será que vale a pena desligar o telefone porque estamos atrasados? Será que vale a pena correr tanto e não poder viver e aproveitar a vida? 

Mais uma vez finalizamos a nossa coluna e comparo as palavras aqui descritas como a nossa vida, simplesmente termina. Mas o que tiramos de bom nesta leitura que temos diariamente ao acordar e poder respirar novamente? O bom de um texto impresso é que podemos reler, voltar e na outra semana poderemos novamente usufruir de um novo tema, mas nossa vida não nos dá esta opção, por isso devemos sempre ler cada palavra com muita atenção. Se precisarmos parar em um ponto ou virgula que seja pausadamente para que se tenha o tempo necessário para a leitura ser ainda melhor, mas no momento em que chegar o ponto final, torço que possamos ter tido uma leitura incrível de muitas aventuras e de muitas lembranças.

Vamos aproveitar esta nossa sexta-feira e viver intensamente para que um dia possamos olhar para trás e ver uma história longa e feliz, sem qualquer tipo de arrependimento. A vida é uma só!

Que este novo mês seja muito especial para todos nós...

Comentários