Ilusões
Sexta, 05 de Dezembro de 2014

Bom dia mui amados leitores. 

Aprendiz: Mestre; recentemente fiquei surpreso com a informação de que dezenas de funcionários (professores e técnicos administrativos, incluindo todos os agentes da enfermaria) pediram para ir embora de uma Instituição Educacional que migrou de uma Universidade Federal renomada no país para o Sistema IFET. Por que isso ocorreu? Lembro que os diretores e funcionários envolvidos na ifetização passavam para a comunidade a linda mensagem de que o IFET aumentaria as ofertas de ensino, traria novos cursos superiores (como as licenciaturas), os novos cursos técnicos, “novos”; além destes do Pronatec (do governo federal) e dos que já existiam?

Afirmavam que o IFET traria mais de mil novos alunos, professores e técnicos administrativos para gerar o desenvolvimento da região; tão “sonhado” pelos homens, mulheres e jovens de boa fé da sociedade? E hoje, ao invés da expansão, parece estar ocorrendo a retração. Teria sido apenas uma ilusão criada para explorar os sonhos e a boa vontade do povo, enquanto os supostos benefícios sociais se tornariam pessoais?

Por que até alguns que lideraram o movimento de ifetização com manifestos sociais, discursos na rádio, matérias em jornais estão indo embora do novo ifet da região? Existiria alguma inconsistência entre a direção ou plano diretor e os servidores gerais? Será que faltou a valorização desses servidores? Por acaso os 14 milhões se transformarão em 51 da caninha dos sete CP ou se perderão no caminho?

Será que montaram uma imagem de Instituição “educacional maravilhosa” para a população, mas alusiva ao “Titanic”? Se for assim, esse Ifet já iniciará com um rombo imenso no casco, pois o suporte principal para as atividades educacionais são os professores e técnicos administrativos que estão indo embora. Esse rombo, cerca de 50% do quadro funcional, certamente levará o Titanic ao naufrágio educacional, antes mesmo de ser declarado IFET pelo Ministério da Educação.

Mestre, por que os agentes que estavam na frente do processo de migração da escola tradicional para Ifet não aceitaram a participação do Ministério Público Federal para mediar o processo, uma vez que o Ministério Público apenas aplica o que é “justo e perfeito” para ambas as partes na conformidade das nossas leis e princípios protegendo os interesses coletivos? Será que existiriam mistérios que a população não deveria saber? 

Quais seriam as verdades nesse universo de supostas ilusões? É verdade que o processo de ifetização pode ser revertido legalmente se a sociedade quiser, já que o bem maior é o coletivo? Mestre, Mestre, Mestre, diga algo?! 

Mestre: Quanta inquirição?! Fiques em silêncio. Não precisamos dizer qualquer coisa. Temos que ouvir ! A população está em processo de aprendizagem, precisa aprender a usar os canais legais para se proteger de “possíveis infortúnios”. Filosoficamente, talvez, valha à pena recordar Nietzsche: “A civilização se refugia em verdades que não passam de ilusões”. 

Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários