Ethos
Sexta, 19 de Dezembro de 2014

Bom dia mui amados leitores. Hoje, vamos compreender um pouquinho sobre esse universo maravilhoso que muitos falam, discursam e deixam a desejar na prática. Refiro-me à Ética.

Aprendiz: Mestre, qual o significado de ética?

Mestre: A palavra ética tem origem no termo grego: “ETHOS”. Essa terminologia é utilizada para descrever o modo de ação de cada ser humano, a maneira habitual do comportamento do indivíduo no contexto social - grupo de convivência. Não obstante, as ações adentram no campo da fenomenologia psíquica que abriga a formação, construção do caráter humano através dos valores morais, imorais, certo e errado, culturais, normas, leis, instituídos nos processos educativos, civilizatórios na formação do cidadão. De modo geral, a palavra ética nos dá uma ideia de discernimento entre o que é certo e errado, segundo as normas sociais à convivência harmônica. Segundo Aristóteles, filósofo da antiga Grécia, pela conduta de um indivíduo na sociedade seria possível conhecer o seu caráter, a natureza que o constitui, em outras palavras, seria possível conhecer a alma da pessoa. 

Aprendiz: Podes explicar o embasamento dessas leis que normatizam o comportamento humano para que todos possam viver em harmonia, mestre?

Mestre: Um dos principais documentos que embasam regras à boa convivência social foi escrito de modo divino há 1.500 anos a.C., o Decálogo que são os 10 Mandamentos que foram apresentados ao povo judeu, por Moisés, como sendo as Tábuas da Lei.

Aprendiz: Pode dar um exemplo de fácil entendimento da importância de uma lei para a manutenção da vida em harmonia na sociedade, mestre?

Mestre: Claro, imagine se não existisse a lei: “Não matarás”, que proíbe a morte. Se essa lei não existisse qual seria o fundamento para matar e não matar alguém na sociedade. Quantos maridos, pais de família poderiam ser mortos se tivessem casado com mulheres bonitas e atraentes. Quais as consequências humanas e sociais desse ato de matar por matar? Quem decidiria quem vive e quem morre? Seria, uma decisão volitiva, ao bel-prazer do executor(a). 

Aprendiz: E a sociedade “civilizada” é ética? Já atingiu um estágio de evolução que permite a paz social, a vida em harmonia em todas as esferas da sociedade como na família, nas escolas e universidades, no trabalho, nos ambientes de lazer?

Mestre: Ainda não. Tanto que está em voga a palavra corrupção que é traduzida em ações humanas que desvirtuam a boa Ética, os bons costumes, os bons valores civilizatórios. Por exemplo, a transgressão em parte ou na totalidade das normas, regimentos e Leis que todos têm o dever de cumprir para a manutenção da ordem social. Ainda hoje se ouve na mídia o desvio de verbas sociais para o benefício pessoal. Ainda acontece o favorecimento de alunos que não estudam, não atingem a média nas provas, mas por serem apadrinhados, recebem a aprovação de forma camuflada, até para se formar, o que é uma vergonha! Infelizmente, devido à pressão dos poderosos da Instituição sobre os singelos professores, estes são intimados a aprovar alunos que não tiveram a competência para estudar. Para piorar, os poderosos (antiéticos) transferem a culpa da reprovação dos seus queridinhos (falsos estudantes) sobre os professores e até justificam: alegando que o formando(a) já gastou muito com roupas, baile,  fotografias, comidas, bebidas para realizar a formatura, além de terem convidado centenas de pessoas para a festa da sua boa formação na academia científica (universidade). Pela ação dos poderosos, antiéticos, corruptos, estão liberando falsos formados (profissionais) para atuar na sociedade, mas com diplomação?! Ou seja, existem “academias” de formação de corruptos. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações à boa ÉTICA!

Comentários