Homens e governos: na história do bem e do mal!
Sexta, 03 de Julho de 2015

Bom dia mui amados leitores. Diante da disputa e da iniquidade destacada nos noticiários sensacionalistas será que existe espaço para a prática do bem?
Aprendiz: Mestre, desde o tempo antigo o homem se deparou com as personalidades do bem e do mal. Historicamente, a maldade estava presente em poucos que governavam muitos, como exemplo: Herodes que determinou o extermínio das crianças de Belém e Adolf Hitler, enquanto apenas poucos tentavam repassar o bem à humanidade, como Jesus Cristo que morreu crucificado, como Mahatma Gandhi que morreu baleado. Por que parece que as pessoas do bem perdem as batalhas na história?
Mestre: Como no passado, sempre existirão pessoas que pregam o bem e pessoas que fazem o mal. Mas não quer dizer que o mal vença e o bem perca, não é esse o resultado deixado por Jesus Cristo ou por Gandhi. Embora até possa aparentar que Cristo tenha perdido, pois o mataram, mas na verdade Ele venceu, assim como Gandhi. Acontece que tanto o Filho de Deus quanto Gandhi (Avatares na concepção Bramânica) vêm ao mundo de tempos em tempos para iluminar caminhos à humanidade. Jesus surgiu num tempo em que a humanidade cultivava o poder, a imoralidade, o ódio, a guerra, a vingança, a escravidão, o domínio do mais forte, a devassidão, o sadomasoquismo, a hipocrisia e a corrupção estavam na base dos governantes, como Herodes e Pilatos. Gandhi surgiu na Índia, num período em que seus governantes não se preocupavam com o povo, estratificado em castas (do mais rico ao miserável), apenas mantinham a governança política do país para proveito próprio, em que a corrupção era a marca de seus governos. Tanto Cristo como Gandhi vieram à Terra para mostrar um caminho diferente às pessoas, um caminho em que o valor da vida(s) está acima do valor monetário, acima do valor econômico e comercial. Contudo, foram vistos como ameaças às mentes reinantes que não tinham a capacidade e nem a boa vontade para compreender e entender suas mensagens, pois as diferenças pessoais, as diferenças de conhecimentos, as diferenças culturais geravam conflitos de interesses...
Aprendiz: Mas e hoje? Existe alguma similaridade entre os governantes dos povos atuais e os antigos? Será que existem a corrupção e interesses escusos reinando sobre os interesses do bem maior da nação? Existem conflitos de interesses pessoais, sociais, políticos, econômicos? O que prevalece no Estado Democrático de Direito: a força do direito ou o direito da força?
Mestre: As pessoas evoluem assincronicamente, cada pessoa tem seu próprio tempo. Por isso é tão difícil uma nova ideia, um novo caminho, uma nova proposta ser aceita e implementada no coletivo. Os conflitos de interesses sempre existirão enquanto o Ego for dominante do próprio ser humano, tanto de modo singular como coletivamente; base para a supremacia humana e prevalência de interesses escusos. Enquanto a Lei maior estiver na mesa de operações, poderá reinar o Estado Democrático de Direito? Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários