Carta de Princípios
Sexta, 14 de Agosto de 2015

Bom dia mui amados leitores, em épocas difíceis, em que as crises afloram, é de bom grado recordar períodos da nossa história – recheada de discordâncias econômicas e políticas que geraram batalhas e até guerras – mas suportáveis quando o povo se mantém unido devido a sua base sociocultural forte, solidificada em princípios de dignidade, honra e fé. Balizaremos o diálogo em princípios que podem reger um povo virtuoso.
Aprendiz: Mestre, como um povo pode balizar sua conduta para o bem e o progresso?
Mestre: Todo grupamento humano, um povo, precisa de normas bem claras e definidas sedimentadas pela cultura e educação, para que todos sejam capazes de ler, entender e seguir as recomendações descritas.
Aprendiz: E o que seriam essas recomendações?
Mestre: Podem ser denominadas de princípios, leis, constituição.
Aprendiz: E quais dizeres devem estar presentes nessas leis a fim de que o povo seja capaz de manter a paz, a harmonia e gerar as diferentes formas de desenvolvimento?
Mestre: Citarei alguns *princípios básicos que já serviram a um povo do milênio passado, o qual lutou bravamente pelo bem coletivo, pela liberdade e independência:
• Cultuar e difundir a história e a formação social como substâncias basilares da nacionalidade. Promover uma retomada de consciência dos valores morais.
• Cooperar com a evolução e o progresso, buscando a harmonia social, criando a consciência do valor coletivo, combatendo o enfraquecimento da cultura.
• Preservar o patrimônio sociológico representado, principalmente, pelo linguajar, vestimenta, arte culinária, forma de lides e artes populares.
• Criar um núcleo transmissor da herança social e através da prática e divulgação dos hábitos locais, noção de valores, princípios morais, reações emocionais, etc.
• Criar nos grupos sociais uma unidade psicológica, com modos de agir e pensar coletivamente, valorizando e ajustando o homem ao meio, para a reação em conjunto frente aos problemas comuns.
• Lutar pelos direitos humanos de Liberdade, Igualdade e Humanidade.
• Respeitar as leis e poderes públicos legalmente constituídos, enquanto se mantiverem dentro dos princípios do regime democrático vigente.
• Evitar todas as formas de vaidade e personalismo que buscam a projeção em proveito próprio. Evitar toda e qualquer manifestação individual ou coletiva, movida por interesses subterrâneos de natureza política, religiosa ou financeira.
• Pugnar pela independência psicológica e ideológica do povo.
• Revalidar e reafirmar os valores fundamentais da sua formação, apontando às novas gerações rumos definidos de cultura, civismo e nacionalidade.
• Buscar a conquista de um estágio de força social que lhe dê ressonância nos Poderes Públicos e nas classes Rio-grandenses para atuar real, poderosa e eficientemente no levantamento dos padrões de moral e de vida. (*Base do MTG).
Aprendiz: Muito distintos esses princípios, mas de que povo está falando, mestre?
Mestre: Falo com exaltação do povo gaúcho! Um povo que fez e faz história quando está organizado cultural, social e politicamente. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários