Aprender nas veredas do passado
Sexta, 21 de Agosto de 2015

Bom dia mui amados leitores, o que fazer quando a humanidade caminha sem ter a devida noção de onde está caminhando e para qual destino?
Aprendiz: O povo da Nova Canaã está passando por dificuldades de ordem política, econômica e social, como, por exemplo, a desvalorização da moeda nacional e o aumento de desemprego, o que ocasiona: aumento na insatisfação dos principais representantes de seu governo, aumento na desordem social e aumento na violência do país. Enquanto isso, o ministro da economia diz que a valorização da moeda estrangeira é bem vista, pois favorecerá a produção industrial do país. Essa informação procede mestre?
Mestre: De fato, a valorização da moeda estrangeira frente à moeda nacional surge como um atrativo às indústrias nacionais aumentarem sua produção e, quiçá, contratar mais trabalhadores, o que caracteriza um momento positivo na crise do país. Contudo, essa visão otimista atinge apenas os setores industriais que produzem bens de consumo para o mercado externo (exportação). Logo, o parque industrial de produção para o consumo interno não terá vantagens com a desvalorização da moeda nacional, o que será agravado mais ainda se tais indústrias fizerem uso de insumos provenientes de mercados internacionais. Portanto, no contexto geral ainda continuarão as ações de desemprego e retração na economia do país.
Aprendiz: O povo está insatisfeito com as ações de seus governantes, até nas ruas têm feito manifestações. Será que este seria o momento para o impedimento do governante? O que o povo deveria fazer nesse momento?
Mestre: É o momento de endireitar as veredas e não de radicalizar em ações que têm atrás do pano de fundo apenas a disputa de poder.
Aprendiz: Mas o que o povo deveria fazer então?
Mestre: Há cerca de 50 anos o povo da Nova Canaã soube se organizar e montar estratégias legais que viabilizaram a criação de partidos de esquerda, os quais politizavam seus cidadãos. A base irradiadora dessa politização era através de grupos de pessoas que se intelectualizavam pelo conhecimento de teorias sociais, filosóficas e democráticas. Tinham, inclusive, feixes de politização dentro das escolas do país, a fim de preparar os futuros agentes da sociedade economicamente ativos à cidadania. O que já não acontece por mudanças ideológicas.
Aprendiz: E qual era a ideologia, a bandeira que esses partidos de esquerda tanto tremulavam aos quatro ventos?
Mestre: A bandeira da democracia.
Aprendiz: E por quê?
Mestre: Porque através da constituição de um Estado Democrático de Direito em seu país, poderiam ser efetivadas e exaltadas ações de políticas públicas para viabilizar o desenvolvimento do povo com liberdade, igualdade e fraternidade.
Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários