Carnaval...
Sexta, 12 de Fevereiro de 2016

Bom dia mui amados leitores. O Carnaval terminou, agora segue o baile da vida.

Aprendiz: Encontrei várias pessoas que disseram estar aliviadas de suas tensões depois de pularem nas festividades do Carnaval. Será que conseguiram expulsar os problemas, as dificuldades financeiras, de relacionamentos, de trabalho e até familiares com os agitos nas festas carnavalescas?

Mestre: O Carnaval é uma festa popular que existe há mais de 600 anos antes de Cristo. A sua origem é na Grécia antiga, de onde vêm as palavras “carnis levale”, que significam levar ou retirar a carne do cardápio, ou seja, era uma festividade que antecedia o período de jejum realizado pelos povos. A mesma festividade foi assumida pela Igreja Católica cerca de 600 anos depois de Cristo para simbolizar o período que antecede à Quaresma, de abstinência para reflexões espirituais. Originalmente a festa carnis levale tinha um contexto pagão muito acentuado, pois era o período em que tudo podia ser feito com a carne, inclusive a humana. Assim, era comum a liberdade de expressão da sexualidade nesse período festivo nos vilarejos, nas ruas, nas casas de atividades noturnas, inclusive deu margem ao surgimento das máscaras para que pudessem cometer toda a gama de pecados carnais sem serem descobertos.

Aprendiz: Mas e hoje? Como podemos entender o Carnaval?

Mestre: O Carnaval ainda mantém o aspecto de liberdade de expressão, da sexualidade, mas já incorporou outros atributos e finalidades, tais como: promoção da arte carnavalesca, através de concursos da mais bela fantasia, da melhor escola de samba, de melhor sambista e cantores, de melhor música e letra, bem como serve para gerar um grande negócio na economia do país, rendendo algo em torno de 7 bilhões entre indústria, comércio, serviços, transportes e hotelaria (Ministério do Turismo/2015).

Aprendiz: Mas e agora que o Carnaval terminou, o que deverá acontecer?

Mestre: A sociedade, as pessoas, a vida tem que continuar na sua trajetória de desenvolvimento à evolução. Mesmo com os problemas, dificuldades e desafios que surgirem na caminhada de cada pessoa.

Aprendiz: Nesse Carnaval, as músicas de funk-brasil foram bem destacadas, até superando àquelas músicas dos tradicionais bailes de Carnaval, as marchinhas. Talvez, pensem que as letras daquela época não traduzem mais a realidade do país.

Mestre: Será mesmo? Vejamos alguns exemplos. Para a cidade de São Paulo e o sertão nordestino poderia ser a seguinte: Allah! Meu bom allah! Mande água pra Ioiô, mande água pra Iaiá. Para o presidente do congresso talvez: daqui eu não saio, daqui ninguém me tira. Para os desvios de dinheiro público: onde está o dinheiro, o gato comeu e ninguém viu. Também poderiam ser lembradas as gloriosas músicas de Chico Buarque -A Banda (http://www.vagalume.com.br/chico-buarque/a-banda.html), e o Bêbado e a Equilibrista - da pimentinha/Elis Regina (http://www.vagalume.com.br/elis-regina/o-bebado-e-a-equilibrista.html).Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

 

Comentários