Política às avessas
Sexta, 11 de Março de 2016

Bom dia mui amados leitores. Quantas vezes a população é beneficiada em programas municipais ao longo do ano? E quantas vezes a população tem que atender - colaborar passivamente, às políticas fiscais do Governo Federal, Estados e municípios?

Aprendiz: Mestre, recentemente o Ministério Público do Estado do Mato Grosso determinou que um município daquele Estado devesse eliminar todos os focos de criação do mosquito Aedes aegypti (vetor de doenças graves como a dengue, microcefalia e febre chikungunya) e definiu multa diária de 10 a 500 mil reais, caso a limpeza das ruas não ocorresse e o acúmulo de lixo e os focos existentes naquela cidade não fossem eliminados. Por acaso essa medida não poderia ser adotada em todos os Estados?

Mestre: Infelizmente na Nova Canaã, os poderes públicos trabalham como os bombeiros, sempre desenvolvendo medidas para apagar o fogo que fez estragos e tenta se alastrar, caso nenhuma medida seja tomada. Acredito que o Ministério Público tem que se manifestar diante dos problemas graves que assolam a sociedade no país, no Estado, no Município, assim foi feito com certa firmeza no Estado do Mato Grosso. Espera-se que essa medida legal gere os efeitos desejados, com a eliminação dos focos do mosquito naquele município e redução daquelas doenças.

Aprendiz: Mas, quando surgiu a epidemia desse mosquito no país?

Mestre: O mosquito Aedes aegypti é originário do continente africano e surgiu entre nós no período colonial em Recife, supostamente transportado para cá nos navios negreiros. A partir do início do século 20, Estados como Rio de Janeiro, Roraima e São Paulo experienciaram várias epidemias. Mais recentemente, as epidemias retornaram fortemente no país em 1981, destacando-se as regiões nordeste e sudeste como as mais infestadas e a região sul com menores índices de infestação.

Aprendiz: Mas por que as políticas de combate ao mosquito são às avessas?

Mestre: Primeiramente, devemos ter bem claro em nossas mentes que a Nova Canaã ainda é um país em desenvolvimento e que o sistema político atua de modo a assegurar a manutenção do poder, como se tem visto no quebra-braços entre partidos no Congresso Nacional. Nesse modelo, a educação, a saúde pública, a segurança, o bem estar social, por exemplos, são relegados a planos secundários nos programas governamentais e quando as crises nos setores sociais surgem, os problemas já estão em patamares bem elevados para serem resolvidos a curto e médio prazo. Assim é o caso da proliferação do mosquito Aedes aegypti no país.

Aprendiz: E o que deveria ser feito?

Mestre: Se a educação fosse prioridade na Nova Canaã, não seriam necessárias ações do Ministério Público de caráter punitivo aos governantes, embora necessárias no momento, como as multas pela presença de focos do mosquito. Numa sociedade evoluída os problemas sociais são discutidos, trabalhados e resolvidos juntamente com a sociedade e de maneira gratificante. Por exemplo: o município que erradicar o mosquito Aedes aegypti receberá um percentual de participação orçamentária da União maior; os bairros que erradicarem os focos de mosquito receberão um abono no IPTU; as escolas e universidades que se engajarem em campanhas de combate ao mosquito receberão laboratórios de ciências, computadores, bolsas de estudos, viagem de estudos etc. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações.
 

Comentários