JOVEM: O FUTURO DA NAÇÃO?!
Sexta, 12 de Agosto de 2016

Bom dia mui amados leitores. Brava gente brasileira, longe vá temor servil ou ficar a Pátria Livre ou morrer pelo Brasil. Os grilhões que nos forjaram da perfídia astuto ardil, houve mão mais poderosa, zombam eles do Brasil (modificado).

Aprendiz: Mestre, o jovem pode ser considerado o futuro de uma nação?

Mestre: O futuro de uma nação livre, próspera e soberana, dentro de conceitos éticos, constitucionais e de sustentabilidade, é dependente das prioridades que os governantes outorgam à educação, à cultura, à saúde, ao emprego formal e da consciência coletiva. Não obstante, a palavra jovem pode denotar uma ideia pueril de futuro, assim como cada criança ao nascer é uma semente de esperança, para algo melhor ou pior... (Depende onde a semente cair.)

Aprendiz: Como assim?! Sempre ouvimos dizer que o jovem é o futuro do país?

Mestre: Recentemente, numa assembleia vespertina da capital, o tema “Jovem o Futuro do Brasil” foi longamente debatido por eruditos de várias áreas do conhecimento. Neste honorífico encontro, apresentaram dados do IBGE, OCDE, OMS, ONU, Depen, MIN. Justiça, contextualizando a juventude brasileira. Assim, após debates sobre Ética, Educação, Soberania Nacional, Estado Democrático de Direito, fez-se uma diagnose na “saúde” do país e descobriu-se que no Brasil existe uma população de quase 10 milhões de jovens na faixa de idade entre 15-29 anos que não estuda e nem trabalha, ou seja, o que fazem da vida e que futuro terão? Se o número de 10 milhões não parece expressivo, compare-o com a população de toda a Suíça, que corresponde a 8,1 milhões, onde cerca de 90% da população tem o ensino escolar completo e 80% da população tem emprego formal, sendo que o valor do “salário mínimo” é de 10,5 mil reais (3 mil euros). Pelos dados da violência no Brasil, concluiu-se que existe uma relação direta entre nível escolar, investimentos na educação com a violência social. Dos 622 mil detentos do país, 472 mil (75%) são jovens (18-29 anos de idade) e destes, 410 mil não possuem o ensino fundamental. No país são 78 milhões de pessoas sem o ensino médio, ou seja, uma população mal formada educacionalmente, bem superior à de toda França (67 milhões) ou da Itália (60 milhões) e próxima a da Alemanha (81 milhões).

Aprendiz: Mas pelos dados governamentais foram investidos mais de 300 bilhões na educação em 2015.

Mestre: Essa informação tem que ser analisada sobre o ponto de vista da aplicação real desse valor, mesmo porque no país existem sistemas de desvios pela corrupção. Sabe-se que enquanto o país supostamente investiu cerca de R$ 875 por aluno, por mês na Educação Básica, pré-escola (5 anos) até o fim do ensino médio (17 anos) em 2015, no mesmo período o governo gastou R$ 1750 a 3300 reais por preso, por mês. Enquanto que na Suíça o país investiu R$ 4.600 por aluno, por mês e existem menos de sete mil detentos (6.923) em todo o país (Suíça). Será esse o grande segredo para a Suíça ser um país altamente desenvolvido, próspero, culto e pacífico?! Ou seja, investimentos na educação de qualidade fortalecem o povo na ética, no conhecimento, na cultura, na socialização, na ordem, no progresso e de maneira harmônica.

Aprendiz: E a violência na sociedade só aumenta. Haverá mais paralisações e greves de policiais; o governo tende a priorizar a doença (violência) e não a saúde social.

Mestre: Em governos que não priorizam a Educação, pode-se dizer que o jovem é o futuro da Nação?! Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários