A exiguidade de políticas libertadoras
Sexta, 21 de Outubro de 2016

Bom dia, mui amados leitores. Após 12 mil anos de civilizações, as políticas das sociedades, nas quais outrora houve a participação de mentes magnificentes de sacerdotes, teosóficos, religiosos, filósofos, historiadores, educadores, psicanalistas, socialistas, marxistas, capitalistas, neoliberalistas, cientistas políticos, ainda não foram capazes de promover o salto quântico do ser humano, que ainda vive escravo dos níveis energéticos mais baixos da evolução.

Aprendiz: Mestre, por que o ser humano ainda sofre num planeta que pode satisfazer suas necessidades biológicas e, até mesmo, de conforto físico, espiritual e de lazer?

Mestre: Porque existem interesses em manter a escravidão, disfarçada em belíssimas leis que asseguram o direito à vida, à liberdade e à igualdade.

Aprendiz: Mas a escravidão já foi extinta com a promulgação da Lei Áurea em 1888.

Mestre: Quando o país foi descoberto em 1500 pelos navegantes portugueses, já existia uma política exploratória bem traçada para regar os cofres europeus através do trabalho “gratuito” de um povo muito gentil e socialmente pacífico que habitava a terra brasilis, os índios. Ludibriados pelos artefatos europeus que os encantavam e pela retórica de que não possuíam alma, eram facilmente doutrinados e manipulados para trabalhos e finalidades dos povos europeus. Quando os índios despertaram do sono profundo, ledo engano, e se deram conta de que seus “patrões” exigiam o plantio de culturas para o mercado exterior, como a cana-de-açúcar, ao invés das culturas de subsistência (mandioca, milho, batata-doce) eles se rebelaram, pois suas famílias já estavam passando fome. Então, os donos de engenhos aliados aos políticos da época iniciaram um novo tratado entre as elites europeias visando à entrada de uma nova fonte gratuita de trabalhadores: os negros escravos. Então, para colocar os escravos no lugar dos índios, donos natos daquelas terras, era preciso exterminá-los. Assim, as matas verdes foram manchadas de vermelho, tudo por interesse comercial que persiste nos dias atuais. Segundo dados da Funai (Fundação Nacional do Índio), dos supostos 10 milhões de índios que existiam no período pré-colonial, hoje existe menos de 1% .

Aprendiz: Atualmente as pessoas já possuem um sistema de educação e de informação muito melhores do que antigamente. Onde estariam as fontes de escravização?

Mestre: No passado, a escravidão existia mais no contexto físico, corporal. Na contemporaneidade, a escravidão se dá em nível mental e as políticas sociais ainda permanecem no campo da exiguidade. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e os vossos corações!

Comentários