Longevidade
Sexta, 03 de Fevereiro de 2017

Bom dia mui amados leitores. Quantos anos o ser humano pode viver?

Aprendiz: A humanidade vem presenciando uma série de avanços nas áreas da ciência e da tecnologia, principalmente nos últimos cem anos, favorecendo a geração de confortos, melhorias à saúde e praxidades no dia-a-dia das pessoas, contudo, àqueles que apresentaram maior longevidade na história das civilizações viviam à parte de todo conhecimento científico e tecnológico. Será que a ciência e a tecnologia estão no caminho inverso da longevidade humana?

Mestre: É interessante fazer um raciocínio dialógico acerca do tema da longevidade humana. Como descrito nos livros bíblicos, Adão teria vivido 930 (Genesis, 5:5); Sete, filho de Adão, teria vivido 912 (Genesis, 5:6); Enos, filho de Sete, teria vivido 905 (Genesis, 5:9); Lameque, filho de Matusalém, viveu 777 anos (Genesis, 5:31); Noé, construtor da arca e principal personagem do dilúvio era filho de Lameque, viveu 950 anos (Genesis, 9:29); Abraão, décima geração de Noé, viveu 175 anos.

Aprendiz: Nesta breve apresentação temporal bíblica da descendência dos filhos de Deus, a partir do primogênito Adão, observa-se que a tendência do ser humano é ter a redução da sua longevidade à medida que as gerações passam, excetuando-se Noé que teve um ganho na longevidade acima de 170 anos de seu pai, talvez, devido às influências do dilúvio (depuração da Terra pelas águas). Mas, quais influências o conhecimento poderia gerar na vida humana que tem longevidade média de 74 anos?

Mestre: Partindo do princípio, Deus criou seu filho Adão a sua imagem e semelhança, como Deus é eterno, provavelmente Adão teria longevidade infinita enquanto estivesse se alimentando dos frutos do jardim do Éden. Contudo, Adão provou o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal e, conforme Deus havia lhe dito: de toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás, porque no dia em que comeres, certamente morrerás (Genesis, 2:16-17). Não cabe aqui uma discussão acerca do despertar da consciência humana pelo fato de ingerir o fruto da árvore proibida por Deus, nem tão pouco travar uma discussão entre a razão, ciência e fé, mas destacar que o fruto proibido propiciou ao ser humano a capacidade de escolha, o livre arbítrio, entre o bem e o mal (desgraça, dano, prejuízo) em tudo o que fizer (desde a descoberta da roda até as partículas subatômicas). Note que, intrínseco ao bem e mal, está o conhecimento.

Aprendiz: Se a tendência natural humana seria a longevidade em processo de declínio, como seria possível o aumento da longevidade humana com o conhecimento?

Mestre: O caminho do conhecimento para a longevidade humana está na compreensão de que a ciência e a tecnologia devem ser usadas para o bem da humanidade, assim como o homem deve trilhar o caminho de retorno à casa de seu pai, o grande criador. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários