O poder da minoria
Sexta, 12 de Maio de 2017

Bom dia mui amados leitores. Por que o poder de 0,1% é maior que o de milhões?

Aprendiz: A cada novo dia, na história dos povos emergentes democráticos percebe-se que o poder decisório efetivo está presente na menor parcela da população. Em termos econômicos, é essa minoria de 0,1% quem detém cerca de um trilhão de toda riqueza da nação e, logicamente, é essa minoria que aproveita melhor os recursos da União em termos de benefícios sociais, como: saúde, educação, transporte, segurança, moradia, empregos e até o lazer. Contudo, tais benefícios só foram possíveis através do recolhimento de tributos e impostos provenientes do trabalho honesto e do consumo da grande maioria (de milhões). Como é possível tão poucos tirar proveitos de tantos milhões? Como é possível milhões sofrerem numa labuta de 40 horas diárias para ganhar tão pouco, apenas para a sobrevida? Como é possível tão poucos ganhar pelo trabalho de milhões? Por que essa gangorra socioeconômica só eleva os poucos?

Mestre: O óbvio está presente naqueles que possuem tempo para se dedicar no campo das percepções. Se existe alguém no alto da gangorra é porque existe outro alguém na base da mesma gangorra a sustentá-lo. Quando esse alguém da base sair da gangorra, o outro despencará. As sociedades desses países emergentes estão baseadas no modelo piramidal de Maslow e, independente dos “ismos” (capitalismo, socialismo...) o equilíbrio socioeconômico se faz presente apenas no campo das utopias; toda ideologia estabelecida nos emergentes serviram para legitimar os planos das minorias e, dentre estes, abastecer os baús em riquezas e para esconder o verdadeiro poder.

Aprendiz: Mas então, o que as maiorias devem fazer?

Mestre: Ao invés de dispender tanta energia em discussões, lamentações, busca de bodes expiatórios, externar culpados para justificar situações ruíns e ainda se prender em ideais alheios como meio de salvação (gerados pelas minorias), deveriam concentrar esforços para se libertar.

Aprendiz: E qual o caminho da libertação?

Mestre: Ninguém se liberta se não quiser ser libertado, e somente os crentes em Deus pela sabedoria da fé e não pela cega fé (tão presente nos ismos capazes de até formar bombas-humanas) podem encontrar e trilhar o caminho. Assim, um dos primeiros passos consiste em escalar a torre de Babel, a escada do conhecimento. Quanto maior for o esforço pessoal em estudos, (de)graus avançados, maior será a percepeção ao entendimento para encontrar o caminho da libertação. Tente entender o ditado: filho de peixe, peixinho... só é se assim quiser ser. Com estudos, será possível a auto reprogramação da consciência, permitindo o entendimento do livre arbítreo para as escolhas (de)vidas. Será que o 0,1% tem interesse em libertar os 99,9%? Por que as disparidades sociais e econômicas tendem ao infinito? Por que os arquétipos da imoralidade, da desonestidade, do maquiavelismo, prevalecem e se sobressaem social, politica e economicamente diante das mentes puras e ingênuas da maioria? Não espere um salvador da pátria, liberte-se e seja um milagre para si mesmo. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários