A quem servir?!
Sexta, 07 de Julho de 2017

Bom dia, mui amados leitores. Há tempos que a humanidade estravaza sua energia vital na polaridade da ser-vidão.

Aprendiz: Antigamente, as sociedades eram escravistas e eram constituídas por reis e rainhas que conviviam com sua corte nos palácios, castelos. Todos os produtos da alimentação, da construção civil e militar e de bem-estar da realeza eram produzidos pela mão dos escravos e seus familiares. O que terá mudado no sistema de trabalho ao longo dos cinco mil e setecentos anos?

Mestre: A força do trabalho continua a servir: servir às organizações sociais, políticas e militares. Contudo, as mudanças objetivas que surgiram ao longo dos séculos foram decorrentes das disputas e lutas entre as distintas classes sociais que se organizavam e se estabeleciam para obter vantagens e benefícios. Não existiam leis trabalhistas para assegurar as relações de trabalho entre empregador e empregado, as relações eram sempre verticalizadas e unidirecionais, do patrão ao trabalhador. Crianças, jovens, adultos e idosos trabalhavam em jornadas de até 18 horas por dia e sem qualquer recebimento de benefícios ou indenizações. Inicialmente, o trabalho nem era remunerado, trabalhava-se para receber o mínimo de farinha e grãos para garantir a sobrevivência. Os acidentes, as doenças e mortes dos trabalhadores eram em números elevados decorrentes do trabalho. Assim, surgiram os primeiros grupamentos de trabalhadores que se uniam para defender os interesses comuns - reivindicações de direitos, tais como: redução na jornada de trabalho, melhores condições de trabalho, salários. Contudo, essa humanização do trabalho não gerava vantagens aos empregadores e nem ao Império/Estado; por lei, instituiram o Estado Liberal, ou seja o liberalismo, no qual o Estado não interferiria nas questões trabalhistas, liberando as relações políticas das econômicas. Ao Estado não importava a origem do ouro, prata, territórios, riquezas que recolhiam pelos impostos ou que recebiam como agrados. Somente após a revolução Francesa e Industrial é que iniciaram os processos de regulamentação das relações de trabalho, por exemplo: criação da Carteira de Trabalho em 1932 no governo do presidente Getúlio Vargas; o décimo terceiro salário que foi sancionado em 1962 pelo presidente João Goulart.

Aprendiz: Atualmente, estão reestruturando as Leis trabalhistas, as melhorias serão para empregadores, empregados ou para o Estado?

Mestre: A história comprova, o novo é velho. Um povo livre é aquele constituído na liberdade, serve a Deus e se desenvolve na práxis da ética, desde os anos inicias na célula familiar, à construção de uma sociedade justa para todos! Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários