Povo de Vívida Fé
Sexta, 04 de Julho de 2014

Bom dia mui amados leitores. A última semana de junho foi marcada por muito sofrimento de 8 mil gaúchos e 40 mil catarinenses, em decorrência das chuvas intensas.  

Aprendiz: Mestre, semana passada vi tantas famílias, homens, mulheres, crianças idosos, sofrendo pelas perdas de seus lares e todos os seus bens devido às enchentes. Que tipo de lição se deve aprender com esse tipo de tragédia?

Mestre: Sem dúvida a tragédia causou estragos materiais, dor e sofrimento, mas três lições podem ser aprendidas. A primeira lição a aprender é que o ser humano é incapaz de vencer as forças da natureza, como vendavais, enchentes, furacões que sempre existirão. Portanto, o ser humano tem que compreender as leis naturais e providenciar meios de vida e de desenvolvimento das sociedades de maneira organizada e com prudência. É necessário que cada município tenha o seu plano diretor de desenvolvimento com base não apenas na questão econômica (onde o poder de capital define quem pode viver em áreas seguras ou morar em áreas de risco, por serem menos caras). É preciso integrar ao plano diretor o conhecimento da natureza, respeitar o meio ambiente e criar alternativas para a expansão da sociedade de modo economicamente viável e segura.

Aprendiz: E qual é a segunda lição, mestre?

Mestre: Conforme foi descrito pelo apóstolo Tiago: “Se um irmão ou irmã estiver necessitado de roupas e de alimento de cada dia e um de vocês lhe disser: vá em paz, aqueça-se e alimente-se até satisfazer-se, sem, porém, lhe dar nada, de que adianta isso? Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras é vazia e morta.” Essa é a segunda lição a ser aprendida e vivenciada, pois, todo o ser humano possui uma semente divina dentro do seu peito e que pode ser germinada e vicejada se assim ele permitir. O ser humano precisa vivificar a sua fé ao longo de seus dias através de obras de modo solidário, fraterno de coração leve e razão pura em benefício do próximo, da humanidade com respeito e zelo à natureza, independente de momentos de catástrofes. Esse é o caminho da redenção.

Aprendiz: E a terceira lição?

Mestre: É a lição do exemplo. Na semana que passou vimos às obras de um “povo de vivida fé”. Várias pessoas andavam pelas ruas da cidade com sacolas pesadas em seus braços e ao mesmo tempo não demonstravam dor, cansaço ou qualquer aparência de esforço, muito pelo contrário, suas faces estavam radiantes, como se tivessem recebido uma boa notícia. As mãos estavam tão leves carregando aquelas sacolas pesadas, pois estavam cheias de amor. Eram as sacolas com provisões aos necessitados das tragédias. E onde as sacolas eram entregues? Na “escola Nossa Senhora Auxiliadora” - a santa mãe que ajuda seu filho(s) - um local de ensino, de formação social e que exemplificou a terceira lição que toda sociedade precisa aprender: formar cidadãos de mente elevada, desperta, felizes e inteligentes, de corações leves, semeados de bondade à prática do bem. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários