Inimigos da saúde bucal – PARTE 2
Sexta, 04 de Setembro de 2015

Halitose

A halitose nada mais é do que o mau hálito, problema que acorre frequentemente e atinge níveis alarmantes em relação a população mundial. Muitos pacientes relacionam isso diretamente com a escovação, porém, muitas vezes, o problema não é resolvido.

Causas
A halitose geralmente está associada à existência de cáries e à má higiene bucal. Porém, pode ter outras origens, como a respiratória (sinusite e amidalite), digestiva (erupção gástrica, dispepsia, neoplasias e úlcera duodenal) e a de origem metabólica e sistêmica (diabetes, enfermidades febris, alterações hormonais, secura da boca, estresse).
Alimentos: Os alimentos, de forma geral, são um dos causadores primários da halitose, que ocorre, às vezes, relacionada ao tipo de alimento ingerido, como cebola, alho, comidas cítricas, frituras, ou com excessos de ingestão dos mesmos.
Gengivite: é um dos fatores determinantes do nosso assunto, pois a gengivite é uma inflamação na gengiva, que pode ocorrer tanto pela falta de escovação e fio dental, ou relacionada à técnica escovatória. Sendo assim, essa inflamação relaciona-se com a halitose.
Ansiedade e estresse: Ambos chamados os males do século; quando nosso sistema nervoso está em desiquilíbrio, a nossa salivação tende a diminuir e favorecer a formação de uma placa bacteriana. Essa placa, que é uma camada, é formada por restos de alimentos e suas bactérias passam por transformações que tendem a liberar enxofre, o que acaba causando o mau hálito.
Água: É necessário ingerir diariamente de dois a três litros de água para evitar que a parte sólida da saliva torne-se mais espessa na língua, eliminando assim mais um provável fator da causa do mau hálito.

Prevenção
Seja qual for a causa da halitose a higiene bucal é fundamental para o sucesso do tratamento, além da eliminação de suas respectivas causas. Consultas odontológicas devem ser estimuladas, principalmente quando o paciente for portador de várias restaurações ou próteses fixas ou adesivas, pois as mesmas podem estar com áreas que retenham restos de alimentos.
Seguem dicas para evitar a halitose:
• uso de fio dental e boa escovação, limpando também a língua, após qualquer refeição;
• consulta regular ao dentista;
• realização de bochechos com produtos antissépticos;
• manter uma dieta balanceada e evitar comer entre as refeições;
• beber pelo menos dois litros de água por dia;
• controlar o estresse;
• evitar o excesso de comidas gordurosas, cigarros, café, frituras.
O tratamento depende da origem do problema, pois transforma este em uma causa com cura, tomando alguns cuidados básicos. Para o esclarecimento de outras dúvidas, consulte seu médico e/ou o seu dentista.
 

Comentários