União na quinta-feira
Sexta, 23 de Maio de 2014

Uma das situações mais difíceis para um colunista é escrever no dia anterior ao fato o que será apresentado para o leitor do dia seguinte, ou seja, antever aquilo que poderá ou não se confirmar e ter de fazer avaliações baseadas em suposições, mas não deixar de tornar a leitura pelo menos um pouco atrativa.

Esta não é a primeira coluna que escrevo imaginando o que poderá ocorrer num jogo do União, pois a redação se fecha antes do jogo, e o leitor recebe a coluna após a realização do confronto, ou seja, no dia seguinte, podendo colocar por terra tudo o que foi transmitido na visão então manifestada.

O União Frederiquense jogou ontem à noite em Santa Cruz e antes mesmo da bola rolar a coluna já estava escrita e enviada para a impressão, no entanto, não poderia de forma alguma o leitor do Folha chegar à coluna de Esportes e não encontrar uma opinião sobre o contexto dos 180 minutos que valem o título do Segundo Turno da Série A2.

Diante disso, manifesto minha opinião sobre o que se projetou para os primeiros 90 minutos. O União tecnicamente é mais time do que o Avenida e foi bem preparado para o confronto, logo, mesmo com muita dificuldade acredito no título que deverá se confirmar no domingo no Vermelhão da Colina.

Por que o União chegou

Hoje pode até ser considerado fácil fazer observações sobre o que de fato direcionou o União nesta magnífica campanha no segundo turno, colocando o clube na disputa direta pela vaga à primeira divisão.

Mas é importante lembrar que além dos reforços e da abençoada mudança da Comissão Técnica, a direção do União manteve sempre a mesma postura, fiel a sua convicção e contando com o prestígio e a credibilidade de seus diretores para manter seus apoiadores.

Isto foi decisivo, o União não foi abandonado apesar do péssimo desempenho do primeiro turno e quando subiu das cinzas veio com uma força maior ainda, pois contou com a estrutura de pessoas importantes e dos seus torcedores, dois patrimônios que serão fundamentais no futuro, principalmente confirmando a vaga na elite do futebol gaúcho.

Dupla Grenal

Grêmio e Inter bem no brasileirão, isto é um fato raro, normalmente a gangorra tem distanciado os gaúchos em termos de campanha, mas este é um ano importante para a dupla, ambos com estádios prontos, provocando inveja a muitos clubes do futebol mundial. 

Acho que vem aí um novo momento daqueles já vividos pelos dois clubes, o credenciamento para a conquista do título de campeão mundial.

Copa do Mundo

Em que pese todo o esforço para que a Copa seja um sucesso, que o povo brasileiro esqueça os problemas existentes no país e que torça apaixonadamente pela Seleção Canarinho, vejo que o risco é muito grande de a Copa no Brasil não atingir todos os seus objetivos.

Apesar de termos uma seleção tecnicamente qualificada e um treinador que já comprovou sua competência, parece, no entanto, não haver um ambiente propício para a efetivação do hexa. Tomara que eu esteja enganado.

Comentários