A Feira da Agricultura Familiar
Sexta, 30 de Outubro de 2015

A reflexão que em outras oportunidades foi apresentada nesta coluna se comprovou no final da última semana através da Feira da Agricultura Familiar, da Agroindústria, do Artesanato e da Biodiversidade. Foi uma grande feira onde, através de palestras, de apresentações artísticas, da exposição de máquinas, de equipamentos, de cenários de turismo e paisagismo rural, da disponibilização de sementes e mudas, da comercialização de produtos da agroindústria, da comercialização de artesanato em porongo, em madeira, em tecido e em materiais diversos, da exposição de peixes a serem criados em cativeiro, da correta construção de aviário caipira, da presença das universidades e tantos outros atrativos, enalteceram e engrandeceram a agricultura familiar.

As lições revividas e as mensagens embutidas nas entrelinhas de cada cenário serviram para o encorajamento e para a valorização deste importante jeito de ser do agricultor familiar. Os encontros, o acesso a produtos, as tecnologias modernas, a expressão da arte e da força econômica das pequenas propriedades mostraram que o meio rural é um bom lugar para se viver.

Importante reflexão foi revivida com o tema da biodiversidade tanto através das palestras nos seminários como na feira das sementes e das mudas. Ficou claro que tantos problemas de pragas, de doenças e de invasoras que surgem no campo estão em função da uniformidade dos cultivos. O desejo para quem cultiva é ter uma lavoura uniforme. Plantas que crescem parelhas oferecem facilidade para os tratos culturais e para a colheita. Um grande perigo para a sustentabilidade! Já temos pragas e invasoras resistentes, certamente fruto da uniformidade dos cultivos. A natureza induz a variabilidade genética dentro das espécies e, com isso, as plantas e os animais vêm sobrevivendo uns aos outros pelos milênios.

O público que passou pela feira pode verificar a grande quantidade de sementes e mudas, a grande quantidade de variedades que há dentro de uma mesma espécie. Aqueles que assistiram à palestra do Dr. Irajá Ferreira Antunes (Embrapa Clima Temperado – Pelotas/RS) sobre as sementes crioulas tiveram a compreensão do significado da biodiversidade e da sua importância para a sustentabilidade dos cultivos atuais. O homem chegou até aqui em função da biodiversidade. Deverá prosseguir se servindo da natureza e buscando a satisfação das suas necessidades no que ela oferece de melhor. E o melhor não é a uniformidade. A grande questão é: como garantir o desenvolvimento econômico preservando a biodiversidade? Por um lado há a necessidade urgente de manter vivo os cultivos e as criações crioulas. Por outro, sabe-se que a economia é de escala e, para isso é necessária a uniformidade dos cultivos. Um grande desafio para a pesquisa e para toda a sociedade. Parabéns a Emater e a todos os apoiadores desse grande evento. As feiras se constituem em uma das portas de acesso ao conhecimento. Vamos participar das feiras.

Comentários