Férias para os agricultores familiares
Sexta, 17 de Janeiro de 2014

A agricultura familiar, mais do que uma ocupação no espaço rural, é um estilo de vida. Numa área pequena, os membros da família exercem várias atividades alternando-as no espaço e no tempo. O cultivo e as criações são intensivas, isto é: ocupa-se o máximo do espaço. Também as lides da propriedade são exercidas por todos: pelos pequenos e pelos adultos, cada qual com suas possibilidades. Aí é que as crianças aprendem a ter compromissos e responsabilidades. Não é raro a gurizada ter animaizinhos ou plantinhas para tomarem conta. Eles não esperam. Chegou a hora de comer ou de regar, o serviço tem que ser feito. Assim, além de suprir uma necessidade daquele vivente ocorre o exercício da sensibilidade e do compromisso. Todos têm ocupações. Todos trabalham. Alguns naturalmente trabalham um pouco mais que outros. Mas, nenhum membro é demitido porque deixou de fazer este ou aquele serviço. Há o sentimento forte da corresponsabilidade e da tolerância. Pode ter a bronca, mas não a demissão. Claro que hoje, em muitas propriedades está havendo a especialização. As famílias são menores e também há muitas oportunidades de ocupação e trabalho na cidade. Assim, vem ocorrendo um esvaziamento rural. Mas para a maioria das famílias, mesmo com redução de gente e de atividades o envolvimento com os afazeres da propriedade é muito grande. Não é raro ouvirmos a queixa de que não sobra tempo para nada. Não tenho tempo para passear. Não tenho mais tempo para visitar os parentes e amigos. As lides da propriedade nos absorvem. Se houver atividades integradas então o envolvimento é ainda maior. O serviço é leve, mas as tarefas são permanentes. E quando há tempo para férias? Ah! As férias! Quando que um agricultor pode tirar uns dias de férias! Ouço frequentemente esta frase. Igual a uma empresa as atividades não param. Não é porque um funcionário entra em férias que a empresa para. Ela pode diminuir as atividades, mas parar não. Assim é a propriedade. As atividades na propriedade não param. Ainda mais que trabalham com organismos vivos. As plantas crescem igual, mas os animais precisam que alguém tome conta. Então alguém precisa estar aí. Não necessariamente alguém da família. Mas precisa ter alguém tomando conta ou reparando a propriedade. Todos precisam de ruptura das lides no tempo e nos “afastar” das rotinas diárias para “recarregar as baterias”. Para quem tem carteira assinada ou ocupação formal há leis que amparam as férias. Para os agricultores deve haver o planejamento e a reserva de recursos para que possam gozar suas férias. É possível e necessário fazer ruptura consigo mesmo, com as lides diárias e “dar uma saída” para descansar. Muitos já fazem isto. Conheço vários agricultores que já se organizam durante o ano para as férias. Mas, há tantos que ainda tem dificuldades de organizar as atividades para dar-se uma folga. É possível! É necessário e merecido! Portanto: Boas férias!

Comentários