Usos múltiplos das propriedades rurais
Sexta, 24 de Fevereiro de 2017

Muito comum na chamada agricultura familiar, os usos múltiplos das propriedades passam a ser vistos com bons olhos também nas médias e grandes. Trata-se de olhar as potencialidades da propriedade com fins econômicos respeitando e adequando todos os ambientes. As pequenas propriedades, por necessidade, tradicionalmente vêm ocupando a maior parte das áreas para a produção intensiva, embora também com adequações a serem feitas. Hoje, além das pequenas, as médias e grandes propriedades buscam adequações para constituir atividades de retorno econômico. As técnicas estão indo pro campo graças a ciência desenvolvida nas universidades, institutos e órgãos de pesquisa e de fomento. O ranço e a resistência a preservação ambiental estão ficando para trás, justamente por conta dos avanços das possibilidades e da conciliação dos interesses econômicos e da adequação das propriedades a legislação ambiental. Não interessa o tamanho da propriedade, pois sempre há possibilidades sobre cada pedaço de chão, seja ela para a produção vegetal, para a produção animal ou para ambas e, ao mesmo tempo ou em tempos diferentes. Alguns exemplos de sucesso são a atividade da apicultura em áreas de APP, em áreas de fruticultura e, em outros espaços de regeneração florestal. Também se consagram os sistemas de agrofloresta, a integração lavoura pecuária, a integração lavoura pecuária floresta e, entre outros. As possibilidades tomam corpo também porque profissionais de áreas múltiplas se integram para encontrar soluções e viabilizar famílias que possuem atividades sobre áreas diminutas, insuficientes ou de forte apelo a adequação ambiental. São pessoas que tem a posse da terra por aquisição, herança ou sucessão, e que precisam tirar o sustento daqueles espaços. Também, ajuda a viabilização das unidades de produção os novos insumos, os equipamentos e as máquinas que, cada vez mais, são versáteis e que respondem por peculiaridades do terreno e das atividades. A necessidade das propriedades em adequar-se as legislações que disciplinam as questões ambientais já se incorporou nos proprietários, como se incorporou nos técnicos a necessidade de buscar soluções para as propriedades com forte apelo a adequação ambiental e que necessitam, ao mesmo tempo, se viabilizar economicamente. Mais uma vez se destaca aqui o quão importante é a inserção da universidade na economia, assim como todos os órgãos de pesquisa e de desenvolvimento de tecnologias. Notamos que a nossa região recebeu estímulo novo a partir da chegada de mais universidades, com mais cursos voltados ao agronegócio. A interação dos professores e dos estudantes com as famílias e empresas vem melhorando significativamente o olhar sobre as potencialidades locais. Com isso, ampliam-se o número de atividades, implantam-se novos métodos de condução das culturas e criações e, sobretudo as pessoas se encorajam para empreender com mais segurança sobre a propriedade que possuem. Os usos múltiplos da propriedade só dependem de um bom planejamento e de determinação. 

Comentários