Contando com a sorte para o sucesso
Sexta, 19 de Setembro de 2014

Tenho escrito neste espaço em outras edições que a região deu um salto de qualidade na agricultura nos últimos anos. Em muitos aspectos vem acompanhando a evolução tecnológica graças aos apoios disponibilizados por muitas instituições e empresas e pela informação que chega ao campo através da televisão, internet, celular e etc. Em suma, temos menos gente trabalhando na lavoura, mas produzindo mais e melhor. Contudo é verdade que as condições climáticas têm favorecido o bom desenvolvimento das culturas. Semente de boa qualidade, adubação adequada, tratos culturais eficientes e chuva na hora certa são alguns dos fatores para produções fartas.

Nas andanças pelo interior veem-se as culturas se estabelecendo ou em pleno crescimento vegetativo principalmente o milho, o feijão e o fumo. Muitas áreas sendo sistematizadas para a cultura da soja e pastagens de verão. Hoje temos uma expansão das áreas agricultáveis fruto da tecnologia da mecanização e do crédito facilitado que não veio de graça, mas através da conquista e da organização dos agricultores e das lideranças “peleando” para que chegasse em abundância, na hora certa e com facilidades.

Louvável o empreendedorismo dos agricultores em expandir as áreas de cultivo desbravando as terras mais pedregosas, os antigos potreiros e as invernadas através da sistematização com trator sobre esteira, escavadeira hidráulica e outros meios mecânicos. Havia, e ainda há, muitas áreas aptas para o cultivo que estão inutilizadas por recortes de estradas abandonadas, restingas de capoeira em divisas, ao longo de cercas, em reboleiras de pedras e tocos. São essas áreas que entram no processo produtivo com culturas de milho, soja, feijão, fumo e pastagens. Certamente teremos mais produção pela tecnologia e pelo aumento de área de cultivo e se chover satisfatoriamente. Repito que é louvável o empreendedorismo. Contudo, é muito perigoso desbravar as áreas considerando somente a topografia favorável para a mecanização. Necessário é considerar o perfil do solo. Área favorável à mecanização, mas com perfil de solo raso tem dificuldade de armazenagem de água e, por isso deixarão as plantas vulneráveis quando o sol “aperta um pouco”. 

Estamos contando com a água da chuva para nossas lavouras embora já tenhamos iniciativas e apoios para irrigação, sobretudo em pequenas áreas. Tem chovido satisfatoriamente nos últimos tempos e tem previsão de continuar assim neste ano, porém, quando trabalhamos em áreas com restrições agronômicas ficamos no “fio da faca”. Contamos com a sorte de termos boas chuvas para o sucesso da lavoura. Nestes tempos de economia de mercado onde os lucros são apertados é muito perigoso contarmos com a sorte. Melhor diferir as áreas de solo raso e com restrições agronômicas do que contar com a sorte de não termos cenários difíceis.

Comentários