Mediação
Sexta, 15 de Maio de 2015

Tive a honra nesta semana de participar do curso de Introdução à Mediação de Conflitos, promovido pelo Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (CEAF), do Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul. Palestrantes renomados como os promotores de Justiça Luciano Badini, diretor do Centro de Estudos do MP de Minas Gerais, e Edson Landim, coordenador dos Centros Comunitários de Mediação do Estado do Ceará.
Dentre tantas técnicas repassadas para uma boa mediação - que significa auxiliar as partes a conversar, refletir, entender o conflito e buscar, por elas próprias, a solução -, quero ressaltar as palavras do doutor Landim, que disse: “Não existe uma boa mediação sem um sorriso. Não existe uma boa mediação sem amor”.
Olha só, estamos trazendo à tona que para mediar com êxito, temos de ser pessoas boas. De coração bom. Mediar os conflitos dos outros e os nossos. Se não tivermos amor, não conseguiremos resolver os conflitos, seja os nossos ou os dos outros.
O Novo Código Civil abre a porta para Mediar, Conciliar. Mas para dar certo temos que amar o que fazemos. Temos que respeitar o próximo e suas demandas. Respeitar as opiniões heterogêneas. Respeitar as ideias.
A palestra do nobre promotor começou com música de Roberto Carlos: “Como é grande o meu amor por você”, onde diz: “Eu tenho tanto pra te falar, mas com palavras não sei dizer...”. Mostrou que o amor supera tudo e me surpreendem positivamente essas novas convicções nas funções públicas e que estamos vendo que o amor resulta em um sorriso largo. E um sorriso largo possibilita um possível êxito nas nossas funções. Seja no Legislativo, seja no Executivo ou em qualquer outro.
Ser educado, sorrir e se empenhar em ajudar principalmente aqueles que parecem estar com dificuldades. Apoiar na resolução de seus conflitos de forma mais célere poderá ser muito importante para uma vida melhor e mais saudável.
Com muita satisfação, vejo órgãos como Ministério Público constatando que falta sorrisos, que falta calor humano, que falta bocas largas. Humildade não significa sermos menos que o outro. Landim também disse que é a favor de salas de audiências em que as mesas sejam circulares, sem distinção, sem lado. Disse que um advogado do Rio Grande do Sul chegou para a audiência e perguntou: “- Que lado senta o juiz?”. Foi dito que em mesa redonda não se tem lado”.
Um grande curso. Um curso para nossas profissões e para nossas vidas.

Comentários