A Dona Morte!
Sexta, 30 de Outubro de 2015

Quando chegamos perto do dia dos finados, meus pensamentos direcionam-se àqueles (as) que já nos deixaram neste plano terrestre. Não consigo fugir. Não consigo falar em outra coisa. Há datas que simplesmente nos dominam.

Como esquecer-nos das pessoas que nos deixaram? A dor é amenizada pelo tempo. A saudade consola. Mas esquecer jamais. A maioria de nós já passou por isso. Quem não passou, ainda vai passar. É o ciclo da vida. Pena que, às vezes, as tragédias alteram a fila tradicional. Mas logo seremos nós os entes queridos de alguém.

O mistério da morte é ainda um assunto muito complexo. Ciência e religião afloram teorias a respeito. Mas o certo é que nosso dia também chegará. Enquanto ainda não fomos chamados, vamos continuar relembrando com carinho e rezando por aqueles amigos e parentes que nos deixaram.

Falando em hora da morte, lembrei-me de uma piada que escutei em uma rádio: o sujeito estava moribundo em um leito de hospital. Estava cansado, pálido, cabeludo e barbudo. De repente, chegou ao quarto a Dona Morte e lhe disse: – Vim buscá-lo! – Meu Deus, Dona Morte, não me leve. Deixe-me vivo por mais um dia. Dona Morte sensibilizou-se com o doente e disse que retornaria no outro dia. O enfermo, no dia seguinte, pensou: “Vou driblar a morte”. Resolveu superar a dor e o cansaço e levantou da cama. Fez a barba, cortou o cabelo e resolveu sair do quarto, permanecendo sentado em um banco no corredor do hospital. Sua ideia era reagir e fugir da dona Morte, eis que acreditava que ela não mais o reconheceria.

Quando a dona Morte entrou no quarto, conferindo sua lista, viu que não havia ninguém. Ficou confusa. Percorreu outros quartos e nada. Andou pelos corredores e não localizou seu “cliente”. Então a Dona Morte desistiu e pensou: Bem, já que perdi aquele homem, vou levar este outro que está sentado no banco.

Brincadeiras à parte, é para vermos que cedo ou tarde também iremos. Por isso, enquanto nosso nome não está lista, vamos lembrar com carinho de nossos entes queridos. Rezar para que estejam bem. Pedir para que intercedam junto ao nosso anjinho da guarda, para que derramem bênçãos sobre todos nós.

Eis mais um motivo para que vivamos bem. Para que façamos o bem. Para que quando partimos, deixemos exemplos de bondade, de virtude, de união e de fraternidade.

Até semana que vem.

Comentários