Por que desenvolver as pessoas?
Sexta, 27 de Março de 2015

Você já parou para se perguntar o quanto você está investindo em você? Investindo em sua vida? Em sua carreira profissional? Vivemos um século marcado por mudanças, por inovações constantes e novidades diárias. E você, o que está fazendo para tornar-se competitivo e atualizado? Aqui falo você como ser humano, como colaborador ou como empregador. Precisamos diariamente nos desenvolver e deixarmos sermos desenvolvidos pelas novidades que vêm para contribuir com a nossa vida pessoal e profissional.

O que você está fazendo diariamente para buscar desenvolver-se e crescer pessoalmente e profissionalmente? Assistindo vídeos, palestras? Lendo livros, artigos e materiais relacionados ao seu campo/mercado de trabalho? As pessoas ao seu redor, seus clientes conseguem perceber essas mudanças e melhorias? Sim? Não? Porque? Quantas palestras, quantos artigos e livros sua equipe de trabalho já leu neste ano de 2015? Essas informações foram compartilhadas e discutidas com toda a equipe de trabalho? Sim? Não? Porque? Surtiram melhorias? Seus colaboradores sentiram-se mais valorizados e motivados? Estamos vivendo em um século marcado por mudanças, onde não é mais o maior que vai engolir o menor, mas o mais lento que será atropelado pelo mais veloz, pelo mais ágil, por aqueles que conseguem implementar as mudanças mais rápidas e de forma mais eficaz do que a concorrência. 

Neste século o que está fazendo a diferença e continuará fazendo, são as pessoas, que através das suas habilidades e competências conseguem diferenciar uma empresa da outra, pois tecnologia, equipamentos e mercadorias estão à disposição de todos, e o que realmente está fazendo a diferença é o capital intelectual, algo que somente as pessoas possuem, e que precisa ser instigado, motivado e desenvolvido diariamente. Chiavenato um dos grandes escritores da área de gestão de pessoas já dizia que “... são as pessoas que fazem à diferença e personalizam a empresa, fazendo-a distinguir-se de todas as demais. Mas, para que isso aconteça é mister que as pessoas sejam recrutadas, selecionadas, integradas, treinadas, desenvolvidas, motivadas, remuneradas e recebam a retroação de seu desempenho”. 

Ele continua e diz que: “...as empresas são fundamentalmente constituídas por inteligência, algo que somente as pessoas possuem. Administrar a inteligência é extremamente mais barato do que tocar exclusivamente com a força do capital, mas a força do capital depende da força humana”. E você, como vê os seus colaboradores/funcionários? Como máquinas? Como seres humanos? Você está dando o verdadeiro valor para as pessoas que estão trabalhando com você e para você? Está buscando treinar e desenvolver essas pessoas? Ou vai se dar conta da sua importância quando ele não estiver mais fazendo parte do seu quadro de colaboradores. Pensemos nisso, abraços e até semana que vem. 

Comentários