A aceleração da vida
Sexta, 13 de Novembro de 2015

Você já se deu conta que estamos a 49 dias de um novo ano? Que estamos nos encaminhando para mais um final de ano? Parece que foi ontem que ouvíamos comentários do fim do mundo, do ano 2000 e olha só, já estamos concluindo o décimo quinto ano do novo século. Nem nos damos conta de que estamos ficando velhos e muitas vezes, ao olharmos no retrovisor da vida, poucas ou quase nada de ações, acontecimentos e momentos vividos em família, com amigos e no trabalho permanecem em nossa memória. Estamos cada vez mais cansados, mais estressados, com menos histórias para contar, recordar e celebrar. O professor Marins, em um dos seus artigos, nos faz alguns questionamentos do tipo: parece que o Natal foi ontem e que o dia não tem mais 24 horas, nem as semanas sete dias. O que aconteceu? O que fazer? Como viver num mundo no qual temos a sensação clara de que não temos tempo para nada? Ele nos apresenta algumas respostas para isso tudo, dizendo que 

“O que aconteceu é que, de fato, fazemos hoje num dia o que há anos atrás demorávamos uma semana para fazer. A informação instantânea via rádio, TV, internet, WhatsApp, YouTube, Facebook, etc., nos faz saber coisas que antes se demorava uma vida para conhecer. Os celulares e smartphones nos tornaram disponíveis 24 horas para quem tenha ou não nossos contatos. Esse acúmulo de informação gera uma ansiedade de fazer, participar, experimentar que nossos antepassados não tinham. Nossa cabeça é bombardeada por dados e informações do mundo inteiro. Ficamos irritados com fatos que não nos dizem diretamente respeito e que ocorreram do outro lado do mundo. Para enfrentar esses novos tempos é preciso desenvolver um autocontrole muito grande e tomar plena consciência daquilo que seja realmente essencial em nossa vida e priorizar as informações e atividades que nos levem a essas coisas essenciais. É preciso saber selecionar e sintetizar essa avalanche de informação disponível para que tenhamos foco, muito foco no que realmente queremos e devemos fazer. É preciso saber dizer muitos “nãos” às tentações da tecnologia e mesmo aos amigos, colegas, conhecidos e estranhos que nos enchem de mensagens, fotos, vídeos, etc. e que ocupam nossa mente com coisas absolutamente acidentais e desnecessárias, que nos tiram do foco do que realmente devemos fazer. Tempo é questão de preferência e temos de priorizar o que nos conduz ao essencial. Para isso, é preciso desenvolver, como nunca, um grande domínio da vontade e não nos deixar cair nas tentações da mídia, das novelas, dos comerciais que nos levam ao consumismo desenfreado e a tudo o que é desnecessário e acidental para o nosso sucesso e para a nossa verdadeira felicidade. Assim, reeducar à vontade e reaprender a pensar criticamente me parecem ser os únicos caminhos para vencer os desafios deste louco tempo de aceleração e viver cada momento e a própria vida com sabedoria e qualidade.” Que possamos priorizar o nosso tempo com coisas boas e que nos tornem pessoas melhores, que ao olharmos no retrovisor da vida, possamos nos sentir felizes e realizados com tudo o que vivemos e construímos neste acelerado mundo que estamos vivendo. Sucesso a todos e até semana que vem. 

Comentários