Qual o tamanho da crise para você?
Sexta, 19 de Fevereiro de 2016

Nesta coluna vou me utilizar de um artigo escrito pelo professor Marins, o qual discorre um pouco sobre a crise e nos traz alguns conselhos para enfrentá-la da melhor maneira possível. Ele inicia dizendo: “Se a crise é pequena, média ou grande, você provavelmente já tenha sua opinião e não quero discutir com você sobre isso. Se a crise é muito ou pouco grave na sua região, no seu negócio ou até na sua vida, também não quero discutir. O que quero pedir é para você tomar cuidado para não aumentar ainda mais a crise, seja ela do tamanho que você veja. O que quero dizer é que na crise, seja ela qual for do tamanho que for, não nos restam muitas alternativas a não ser enfrentá- la com força e coragem e trabalhar ainda mais e melhor para não deixar que ela aumente e acabe por nos destruir. Pouco importa, para nós, no nosso dia a dia, ficar pesquisando e querendo saber o tamanho da crise. É preciso agir, pois o perigo é que durante o tempo em que estivermos discutindo e pesquisando seu tamanho, ela cresça ainda mais. Agora é tempo de pensar em ações práticas e eficazes para diminuir a crise e não aumentá-la com a nossa inércia. Repito, é preciso agir! Muitos me dirão, o que fazer se sou um simples empregado? Meu conselho é que você faça tudo o que puder para manter o seu emprego atual e não acredite que por você ser muito bem formado(a), ter experiência e até autoestima elevada será fácil conseguir outro emprego igual ao que tem hoje. Muitas pessoas se iludem e se acham capazes e merecedoras e pensam que será fácil conseguir novo emprego assim que deixar o atual. As dezenas de histórias pessoais mostram exatamente o contrário e a pessoa acaba aceitando fazer qualquer coisa, por qualquer salário, para poder sobreviver. A verdade é que a maioria das pessoas tem uma autoimagem, isto é, acreditam ser, muito melhores do que realmente são. Muitas pessoas acreditam que no dia que deixarem suas empresas, seus chefes não saberão o que fazer e cairão de joelhos implorando sua volta. Muitas pessoas se acham insubstituíveis e como diz o velho ditado, “o cemitério está cheio de pessoas insubstituíveis...”. Assim, cuidado! Não aumente a crise para você! Ande o quilômetro extra e faça mais para garantir o seu emprego. E se você é empresário, pense também que agora não é hora de perder as pessoas realmente boas que trabalham em sua empresa. Aquelas que realmente fazem a diferença e que, portanto, ajudarão você a não aumentar sua crise. Cuide delas! Pense nisso.” Que realmente possamos ter atitude diferenciada para enfrentar a crise e nos sobressair. Sucesso a todos e até semana que vem. 

Comentários