Algumas reflexões
Sexta, 08 de Dezembro de 2017

Vou trazer aqui algumas pequenas reflexões, que muitas vezes passam despercebidas no corre-corre do nosso dia a dia. Você já parou para pensar se seu último dia de vida fosse hoje? Você fez tudo o que queria? Disse para as pessoas que ama tudo o que sente por elas? Perdoou alguém que em algum momento lhe magoou? Pediu desculpas para alguém que você fez sofrer? Sim? Não? Por quê? Esperamos que possamos permanecer por muitos anos convivendo com as pessoas que amamos e queremos bem, mas infelizmente ninguém sabe a hora em que iremos deixar esse plano e partir para o próximo. Por isso a importância de vivermos a vida um dia de cada vez, planejando ações para o futuro, sim, mas vivendo o hoje, o agora, aproveitando cada momento, pois a única certeza que temos é o agora. Muitas vezes em nossa vida vamos deixando para fazer algumas coisas amanhã, do tipo: começar uma dieta, iniciar alguma atividade física, consultar um médico, visitar amigos e parentes, fazer um curso de qualificação, entre tantas coisas que “vamos empurrando com a barriga”, como diz o ditado. E sai ano e entra ano, muitas vezes ficamos só na promessa e “achando” desculpas por não ter conseguido fazer. Na semana passada, tivemos uma enorme perda de uma pessoa muito querida por todos, o nosso gerente Francisco Frizzo, o qual intempestivamente nos deixou. Uma pessoa jovem, cheia de planos, com muitos projetos e ações a serem desenvolvidas. E isso nos faz parar um pouco e refletir sobre algumas coisas, nos fazer alguns questionamentos que aqui procurei trazer para, com isso, tentarmos mudar algumas atitudes que vamos adquirindo e deixando que a correria do cotidiano nos consuma e deixemos de viver a nossa vida e passamos a viver aquela “imposta” pelo sistema. Quantos anos você tem? Como você está vivendo sua vida? Até que idade você pretende viver? O que está fazendo para “tentar” ter condições físicas, emocionais e intelectuais para chegar à idade na qual você pretende viver? (Sim, que pretende, pois como comentei acima, ninguém sabe a hora, mas podemos criar condições de vivermos uma vida mais saudável, cuidando mais do nosso corpo e da nossa alma, etc). Lembre-se da música da Ana Vilela, “a vida é trem bala, parceiro, e a gente é só passageiro prestes a partir”. Que possamos neste final de ano parar um pouco a agitação do nosso dia a dia e fazer um balanço da nossa vida, se estamos felizes com a maneira, com a dinâmica e com as nossas atitudes diárias. Se sim, que possamos implementar melhorias para continuarmos ainda melhores. Se não, que possamos fazer uma análise séria, verdadeira e criteriosa conosco mesmo, e ver o que está nos “atrapalhando”, o que está nos impedindo de termos uma vida mais feliz, alegre e realizada, pois nós é que somos o “piloto” da nossa vida, somos nós que devemos decidir que momento devemos parar para fazer algumas revisões e em que momentos devemos acelerar para chegarmos ao destino que almejamos. Sucesso a todos e até a próxima. 

Comentários