Inspirar-se neste mundo de plástico
Sexta, 21 de Agosto de 2015

Ao som de “My My, Hey Hey (Out of Blue)” Neil Young

Mude, se for possível, ao contrário de deixar-se corromper por críticas e cantilenas que fazem crer isso e aquilo, valorize os teus, lembre dos conselhos em gotas de teus avós e de teus pais, de gente que lhe foi cara, teus professores prediletos, aqueles que fizeram diferença entre tantos, dos autores que lestes, sejam eles de leste ou oeste, norte ou do sul, pouco importa. Ajusta teu pensamento por esta fenomenal bússola que trazes dentro do teu peito, que quase nunca mostra o norte magnético, mas a direção do teu próprio coração, caia fora de dualidades, podes ter é claro tua preferência, mas não deixa que isso te contamine. Existem muitas pessoas boas dos dois lados do sino, aprenda a silenciar e ouvir, nossa constituição corporal traz dois ouvidos e apenas uma boca. Observe, mesmo assim à distância, existem alguns gritos diferentes nessa multidão. Lembra de teus amigos (aqueles da infância e da adolescência) que sempre tiveram muita liberdade, tanto para zoar de teus tropeços ou de tuas escolhas, eles de uma forma toda própria sinalizaram que te aceitam exatamente como és, com ou sem ferrugem no rosto, com cabelo bom ou não, com dobrinhas ou sem nenhuma delas. Que isso nos mova, no sentido de procurar a melhor saúde e uma cabeça sana, mas que não se ocupe de espelho como narciso, que imagine outro Midas, faça aos poucos, mas mude. Consuma mais coisas e alimentos naturais, ensine isso aos teus, coma menos, caminha mais, e ria, daquelas gargalhadas impagáveis, isso de certa forma libera algum hormônio que influencia em boas decisões, e isso é o que o mundo precisa urgentemente, usar a química de forma correta e não abusiva, manter nossas fontes de água longe de venenos, cultivar de forma mais natural a comida que será levada à mesa, ou será que imaginam que pode-se alimentar de dinheiro? Menos veneno e mais agricultura orgânica, mais responsabilidade com os resíduos, e principalmente mostrar essa diferença para as novas gerações, o mundo não precisa conquistar o espaço e destruir nosso planeta, tem gente que passa fome e isso é péssimo para a cultura de humanidade que pretende ser evoluída. Quanto a esses programas caça níqueis que andam por aí, preste bem atenção na quantidade de maquiagem que é utilizada, dê sua ajuda para alguma instituição que necessite e que esteja com a cara limpa. Sem fantasia alguma, mas vestida da mais pura humanidade e até de alguma remela no canto dos olhos. Isso é de verdade, o resto, usa make-up para nos enganar, lembra que isso é lindo de se ver, porém melhor mesmo é perceber e sentir a verdade, tanto nos olhos, e olhares, no abraço verdadeiro e naquele cheiro de chá de erva cidró, daqueles que minha linda e inoxidável vó Maria nos servia nos chás da tarde em sua Casa de Madeira e junto ao seu coração de ouro. Nenhum outro banquete, por mais sofisticado, irá suplantar aquele, por que era servido com olhos puros e doces palavras, a verdade na sua essência, isso é o que precisamos. Por mais cromos de nasceres e ocasos, por mais abraços, chás e cafés, livros e discos, e principalmente a mirar o teu sorriso.
Saúde e Sorte, para os que fazem... A diferença!

Comentários