Fazer Vibrar!
Sexta, 06 de Novembro de 2015

Ouvindo Dust In The Wind – Kansas

Então vem outro mês, novembro traz sorriso, lágrima e emoção, traz flor e dobradura, traz Tsuro, doce amargo como gostas, traz outra curva, do caminho, e, quando caminho, observo teu modo, tua voz, que comanda que explica que modifica que dá teor, qual rápido cruzar quase sem querer, mas querendo muito, a vida é breve, não espere pela outra margem, nunca saberemos o dia e a hora, mas em todo caso, sê passante, caminhante do caminho, andador das vielas, que sabemos muitas dão em pedregulho, a vida traz estreitamentos, e mesmo quando estiveres com o ar minimamente no teu peito, seja por bela surpresa, ao abrir o pacote, seja por se perguntar, aonde isso irá levar? Tenha a absoluta certeza que o caminho é de descoberta, se existir chance, permita-se, mais outra vez, sem neuras, vigia, levanta mais a chama da tua lanterna, acenda velas, para o lado que acreditas de coração, no final das contas, e talvez isso seja a coisa mais certa, lá no final do caminho tem o rio, a passagem, leve teu pensamento íntegro, tua crença inteira, leve no peito teus doces quereres, os sorrisos que emprestaste pelo caminho, mesmo quando tudo o mais o faria derramar água salgada na face, desimporta, não carrega a mágoa, a frustração de ter sido inteiro, mesmo quando outro não foi, leva teus frutos, sejam eles filhos ou filhas, gente que colheste neste campo da vida, leva também aqueles que entregastes na margem do rio, ele tem muitos passos, muitos portos, e vamos deixando assim quem já aprontou seu caminho antes de nosotros ali, sei, saudade é coisa que tem apenas nos dicionários abaixo do equador, como outras coisas mais, como guaraná, como essa linda cor da pele de meu povo, que com a cabeça de qual cor, mantém o sorriso no rosto o requebrado nas cadeiras e os mais lindos pares de luceros que já vi entregarem a um povo, por quê? Pois digo, conto e narro.. Tem Brilho, são intensos e refletem a magia da alma.. São talvez diversos dos helênicos cantados por outros povos, de lá, mas que tem mistério e sagacidade, encanto e matreirice a descrita por Machado, o de Assis, e também pela cor de crina e pelas cadeiras que o Jorge, O Amado, descreveu do alto do telhado, Não sei Capitu e Gabriela se vocês existiram, acredito que sim, minha dúvida se dissipa, quando encontro nas calçadas e no sonho.. Diva que ensina que encanta toda hora, mesmo quem nunca sentou nas classes que desde cedo projetastes, e com silvos de apitos, com experiências como a do Bartolomeu que botou fogo na água, continuas encantando, sei, o brilhos dos olhos de hoje não são tão intensos, pretensos reflexos da tela da geração touch, talvez saibamos que a última canção, o último brinde, seria ideal.. Espero que a leitura relaxe e acenda outra vez a chama da curiosidade, que é certo.. deixei..

Que Novembro nos traga Paz, Amor e Serenidade.. Que traga palavra carinhosa, que traga encantamento e, principalmente, que nos traga verdade. Percebo que o tempo de falsetes não pertence mais, que seja assim inteiro e não pela metade..

A Lenda do Tsuro, lá em seu bojo, lembra que o cuidado e o tempo é que faz a diferença empregue para quem merece..

Abraço para quem.. Inspira

Comentários