Depois Vamos Para Casa I
Sexta, 27 de Maio de 2016

Ouvindo – Alucinação - Belchior

Somos feitos delas, do pó delas, não é a toa que os astros nos cativam.. A Lua exerce tal fascínio e poderio sobre Nosotros e sobre tudo o que habita este planetinha azul, em cada janela, cada vitral ela adentra com sua luz misteriosamente linda, tempos atrás comentei com Quem, para que ela percebesse a Lua, estava deslumbrante aquela noite.. Dessas de ficar até a aurora aparecer, esquecer a hora dos homens e ficar com a dos Deuses.. O Dia que tiver a oportunidade faça isso, pelo menos uma vez a cada ano, e tenha certeza, que aquele momento estará tão fortemente gravado em teu pensamento e memória que dificilmente irá esquecer, mesmo depois de muitas luas.. A constituição de nossa matéria já comprovada que tem o material delas, o pó de estrela, pode parecer poético e sem dúvida é, mas se percebermos que isso é coisa natural, porque o planeta há muito tempo vem sendo bombardeado com meteoritos, de todos os tamanhos e em diversas fases, e este material não escapa, ele fica por aqui, como numa representação que vi no face dia desses, sobre lixo.. Continha a representação do planeta e a seguinte assertiva: Não existe fora.. Recicle! Desde aquele momento tenho pensado muito nisso, nossas gerações foram sendo impactadas de forma diversa, como se de tempos em tempos existisse um upgrade de conhecimento, as pesquisas, as descobertas científicas, invenções, criações e a parafernália que inventamos por um ou outro motivo, vão enchendo o planeta de resíduos, nem sempre tratados e despoluentes, mas existe a questão de conhecimento.. Aos poucos, numa vagarosa caminhada vamos abandonando hábitos e nossa tradição vai se esvaindo como algo que escorre por uma canaleta.. Nossa tradição oral, foi substituída pelo éter eletrônico, cada vez é menor o tempo.. De convivência, da conversa, e nos alegramos com likes, visualizações e tal, numa troca diversa daquela costumeira, faz parte, nunca deixo de mostrar aos da minha linha, a forma que penso, e ouço, falo á poucos, porque a palavra deve ser consentida, e quem não abre a ventana, não pode te ouvir, ou não quer.. E o respeito talvez seja a forma mais antiga de ética compartida. Alguns não entendem muito bem isso, é preciso tempo, talvez o do olhar Lua e estrela, o de sentar em muro baixo e, aquele de dividir o mate, saiba exatamente com quem divides o olhar, a palavra, e o mate.. Teu lábio é sagrado, tens dois ouvidos, mas apenas uma boca e, isso não é acaso.. Nada é Acaso, nem os anjos que envio na dobradura, nem o Livro em minha pausa, no meu olhar, e pensamento que viaja e repousa ao teu lado, mesmo que não fisicamente, mas leva sempre o Abraço que Tudo Pode!
Saúde e Sorte! Para Quem Faz.. A Diferença!

Comentários