As Mais belas Cenas São aquelas que Vestimos!
Sexta, 02 de Setembro de 2016

Vertendo na Sequência de Velho Chico..

Entre todos os mais loucos agostos, este chega ao final, já vi muitos, uns de ventos fortes, temporais, a morte rondando, levando gente, crença difundida entre o povo do sul, mas tal não havia visto ainda, gente andando como zumbi com a face iluminada por telas de telemóveis.. Não se importando com o assalto e o assassinato, gente (que não é tão gente assim) tirando selfie em acidente, assassinando o português em nome de sigla.. É duro ver isso.

Quando as janelas saltam aos olhos ou somos mais vividos e, lívidos de espanto, percebemos que não é essa a asa, foi em outro agosto, mas sempre tomo cuidado com eles, sempre que posso vejo o Ipê florescer, mesmo alguns que decepados pela mão do homem. Percebo que as cores são tais caleidoscópios e trazem igualmente sensações, bordadas em colcha de retalho, restos de outros carnavais, com gosto de quero viver e não vegetar..

Os agostos sempre trazem mudanças, talvez você que lê tenha observado.. Ou não, sempre é tempo.. Mas ele por obra do Érico, o Veríssimo, com o ditame da tal Bibiana (duas vezes Ana, a Terra) que também fala do vento, enquanto escrevo ainda é agosto e chove.. Em todas as direções e pálpebras, nas janelas do sonho e da vista, onde se mistura a linda cor do olho e do brilho dele.

Existem alguns truques que são de roteiro, alguns mágicos conseguem criar cenas memoráveis como essa do link que move a escrita de hoje.. Ou no abrir das folhas do livro, que além de cheiro bom, porque o livro e o local em que estou tem cheiro bom, temperado pela fumaça do incenso, vezenquando bate asas aqui ao lado e sei que me protege, que vela o caminho e a curva, por vezes até mostra o detalhe e é importante saber observar isso..

Imagino o tipo de roteiro que se produza no cimo, com pitadas dos anjos marotos, os louquinhos aqueles que descem vezenquando e tecem canvas no horizonte de minha janela, ou de algum cromo de amigo da linha, fiquei pensando dia desses, ao apertar o botão, disparar o clique, eternizar o instante, como o riscar da folha em branco, como diz o Osvaldo, o Montenegro, numa de suas pérolas: ensina-me a escrever..

Os detalhes são algo, mergulha neles e nas entrelinhas, elas sempre contam algo, observa!

Saúde e Sorte aos que fazem cromos e a.. diferença!

Comentários